Corregedor da PM vai permanecer no cargo

Como o DIA Online antecipou nesta segunda, Wanderby decidiu entregar o cargo por conta da transferência da investigação sobre a morte de turista

Por O Dia

Rio - O corrregedor da Polícia Militar, coronel Wanderby Braga de Medeiros, vai permanecer no cargo. Foi o que decidiu o comandante-geral Wolney Dias Ferreira. Como o DIA Online antecipou com exclusividade na noite desta segunda-feira, Wanderby decidiu entregar o cargo por conta da transferência da investigação sobre a morte da turista espanhola Maria Esperanza Jimenez, 67 anos, da 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) para a Delegacia de Homicídios (DH).

Documento de identificação da turista espanholaReprodução TV Globo

Em nota divulgada no fim da manhã desta terça-feira pela PM, na Polícia Militar não existe a entrega de cargo e sim nomeação ou exoneração. A decisão do corregedor abre uma crise entre as polícias civil e militar pela apuração do caso que ganhou repercussão internacional.

Policial envolvido em morte de turista diz que esperava carro 'suspeito' passar

?Em depoimento na Delegacia de Homicídios da Capital (DH), o soldado Luís Eduardo de Noronha Rangel afirmou que escutou pelo rádio da Polícia Militar que um carro de cor escura teria fugido de outra viatura em "atitude suspeita". O PM é suspeito de envolvimento na morte da turista espanhola Maria Esperanza, na Rocinha, nesta segunda-feira. Ele e o tenente Davi dos Santos Ribeiro foram presos em flagrante.

A idosa foi morta enquanto fazia um passeio na Rocinha. Ela estava acompanhada do irmão, da cunhada, de uma guia e do motorista da companhia turística. Na manhã desta terça-feira, a DH pediu a prisão preventiva de Ribeiro, que teria disparado o tiro contra Maria Esperanza. Já Rangel atirou para o alto. Os dois PMs passaram a madrugada prestando depoimento na DH, na Barra da Tijuca. 

Últimas de Rio De Janeiro