ALEITAMENTO MATERNO NO HOSPITAL

Por O Dia

Aleitamento materno no hospital
Aleitamento materno no hospital - DIVULGAÇÃO

Agosto Dourado 

Programa de Aleitamento ajuda mães a amamentar bebês internados no Rio

Nutróloga pediátrica destaca benefícios da amamentção para saúde de mães e bebês

Amamentar é o ato mais natural do mundo. O homem é um animal mamífero, geneticamente programado para receber os benefícios do leite materno e do ato de amamentar. Mas, desde, pelo menos, os anos 60, fomos modificando e artificializando a alimentação das crianças, seja pela entrada da mulher no mercado de trabalho, seja por pressão da indústria alimentícia.

Segundo um levantamento realizado pela revista científica The Lancet, os gastos com saúde associados à ausência de aleitamento materno somam mais de US$ 300 bilhões no mundo. No Brasil, por exemplo, se as taxas de aleitamento chegassem a 90%, a economia seria de US$ 6 milhões, de acordo com o levantamento.

A nutróloga pediátrica especialista em aleitamento Aline Magnino, do Prontobaby - Hospital da Criança explica que essa é a quantia estimada em gastos para reduzir impactos negativos que poderiam ser evitados com o aleitamento materno, como melhorias cognitivas e anticorpos para o bebê e a redução do índice de câncer de mama e de ovários para a mãe.

- Hoje já se sabe que a amamentação é um fator protetor para várias doenças tanto para mãe, quanto para o bebê, além de ter um impacto positivo no neurodesenvolvimento, melhorando o QI, reduzindo o risco de distúrbio de déficit de atenção e distúrbios generalizados de desenvolvimento e comportamentais, o que a importância de estimularmos e garantirmos que pelo menos nos seis primeiros meses de vida essa seja a opção de alimento preferencial e se possível, exclusiva.

Realizada em 120 países pela World Alliance for Breastfeeding Action (WABA) na primeira semana de agosto (1 a 7), a Semana Mundial de Aleitamento Materno tem o intuito de promover e conscientizar sobre a importância da amamentação. Também conhecida como Agosto Dourado, a cada ano, propõe uma discussão diferente. Em 2017, o tema é "Proteger a amamentação: construindo alianças sem conflitos de interesse.

Especialista há mais de 10 anos em apoiar famílias a vencer os desafios iniciais da amamentação, hoje a Dra. Aline é Coordenadora Médica da Unidade de Internação do Prontobaby - Hospital da Criança e conhece de perto os desafios enfrentados pelas mães, especialmente aquelas que cujas crianças precisam ficar internadas. Para apoiar essas famílias, ela coordena um programa de amamentação no hospital que ajuda as mães a vencer as barreiras emocionais decorrentes do ambiente hospitalar, que provocam tensão, preocupação, agitação e, somado a isso o distanciamento de mãe e bebê, tornam ainda mais difícil manter a produção do leite materno. Mas, para ela batalha é recompensada a cada bebê amamentado.

- No hospital, nosso desafio é diário, mas temos tido muito sucesso! Nós incentivamos as mães a ordenharem o próprio leite em casa e trazerem diariamente, a fim de oferecermos a seu filho. Isso é possível, até mesmo, via sonda gástrica, caso o bebê não possa se alimentar diretamente no seio materno. E esse ato é muito importante, especialmente nesses casos, não só por ser o melhor nutriente para a criança, mas também por propiciar o fortalecimento do vínculo mãe-bebê.

No Brasil, a coordenação da Semana é de responsabilidade do Ministério da Saúde e tem o apoio de Organismos Internacionais, Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais, Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, Hospitais Amigos da Criança, Sociedades de Classe e ONGs. No Rio de Janeiro, o Grupo Prontobaby, dos hospitais Centro Pediátrico da Lagoa e Prontobaby - Hospital da Criança, que inclui a maior emergência pediátrica do estado, com seis mil atendimentos, 300 cirurgias e 600 internações mensais, organiza durante o mês de agosto diversas atividades para sensibilizar as famílias para o valor desse ato para a saúde de mãe e bebê.

Proteção conferida pela amamentação

Para a mãe

- Prevenção da depressão pós-parto

- Proteção contra câncer de mama

- Efeito protetor contra osteoporose

- Redução de riscos de doenças cardíacas, hipertensão, diabetes, hipercolesterolemia e acidente vascular cerebral

Para o bebê

- Diminuição da mortalidade infantil por doenças infecciosas

- Proteção contra incidência e gravidade das diarreias e infecções respiratórias

- Melhora do desenvolvimento cognitivo e coeficiente de inteligência

- Proteção contra alergias respiratórias (asma e rinite alérgica) e dermatite atópica

- Proteção contra o câncer infantil

- Proteção contra a desnutrição e melhora no desenvolvimento e crescimento

- Proteção contra a obesidade

Sobre Dra. Aline Magnino

Nutróloga Pediátrica e Coordenadora Médica da Unidade de Internação do Prontobaby - Hospital da Criança

Graduada em Medicina pela Universidade Gama Filho em 2008, é especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria, com pós-graduação em Nutrologia pela Santa Casa de São Paulo e especialização em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Atualmente, é membro do Comitê de Nutrologia Pediátrica da Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro e coordenadora médica da Unidade de Internação do Prontobaby - Hospital da Criança.

Sobre o Grupo Prontobaby

Fundado em 1961, o Prontobaby é atualmente o único Grupo dedicado exclusivamente ao atendimento pediátrico na cidade do Rio de Janeiro. Formado pelos hospitais Prontobaby - Hospital da Criança e Centro Pediátrico da Lagoa, pela unidade de pronto atendimento Prontobaby Méier, pelo Instituto de Especialidades Pediátricas e pelos serviços Homebaby - Home Care Pediátrico e Prontobaby na Escola, o Grupo Prontobaby alia acolhimento humanizado a alta tecnologia e constante atualização de seu corpo clínico para oferecer o cuidado mais adequado à saúde de crianças e adolescentes.

Agosto Dourado

Programa de Aleitamento ajuda mães a amamentar bebês internados no Rio 

Nutróloga pediátrica destaca benefícios da amamentção para saúde de mães e bebês 

Amamentar é o ato mais natural do mundo. O homem é um animal mamífero, geneticamente programado para receber os benefícios do leite materno e do ato de amamentar. Mas, desde, pelo menos, os anos 60, fomos modificando e artificializando a alimentação das crianças, seja pela entrada da mulher no mercado de trabalho, seja por pressão da indústria alimentícia.

Segundo um levantamento realizado pela revista científica The Lancet, os gastos com saúde associados à ausência de aleitamento materno somam mais de US$ 300 bilhões no mundo. No Brasil, por exemplo, se as taxas de aleitamento chegassem a 90%, a economia seria de US$ 6 milhões, de acordo com o levantamento.

A nutróloga pediátrica especialista em aleitamento Aline Magnino, do Prontobaby - Hospital da Criança explica que essa é a quantia estimada em gastos para reduzir impactos negativos que poderiam ser evitados com o aleitamento materno, como melhorias cognitivas e anticorpos para o bebê e a redução do índice de câncer de mama e de ovários para a mãe.

- Hoje já se sabe que a amamentação é um fator protetor para várias doenças tanto para mãe, quanto para o bebê, além de ter um impacto positivo no neurodesenvolvimento, melhorando o QI, reduzindo o risco de distúrbio de déficit de atenção e distúrbios generalizados de desenvolvimento e comportamentais, o que a importância de estimularmos e garantirmos que pelo menos nos seis primeiros meses de vida essa seja a opção de alimento preferencial e se possível, exclusiva.

Realizada em 120 países pela World Alliance for Breastfeeding Action (WABA) na primeira semana de agosto (1 a 7), a Semana Mundial de Aleitamento Materno tem o intuito de promover e conscientizar sobre a importância da amamentação. Também conhecida como Agosto Dourado, a cada ano, propõe uma discussão diferente. Em 2017, o tema é "Proteger a amamentação: construindo alianças sem conflitos de interesse.

Especialista há mais de 10 anos em apoiar famílias a vencer os desafios iniciais da amamentação, hoje a Dra. Aline é Coordenadora Médica da Unidade de Internação do Prontobaby - Hospital da Criança e conhece de perto os desafios enfrentados pelas mães, especialmente aquelas que cujas crianças precisam ficar internadas. Para apoiar essas famílias, ela coordena um programa de amamentação no hospital que ajuda as mães a vencer as barreiras emocionais decorrentes do ambiente hospitalar, que provocam tensão, preocupação, agitação e, somado a isso o distanciamento de mãe e bebê, tornam ainda mais difícil manter a produção do leite materno. Mas, para ela batalha é recompensada a cada bebê amamentado.

- No hospital, nosso desafio é diário, mas temos tido muito sucesso! Nós incentivamos as mães a ordenharem o próprio leite em casa e trazerem diariamente, a fim de oferecermos a seu filho. Isso é possível, até mesmo, via sonda gástrica, caso o bebê não possa se alimentar diretamente no seio materno. E esse ato é muito importante, especialmente nesses casos, não só por ser o melhor nutriente para a criança, mas também por propiciar o fortalecimento do vínculo mãe-bebê.

No Brasil, a coordenação da Semana é de responsabilidade do Ministério da Saúde e tem o apoio de Organismos Internacionais, Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais, Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, Hospitais Amigos da Criança, Sociedades de Classe e ONGs. No Rio de Janeiro, o Grupo Prontobaby, dos hospitais Centro Pediátrico da Lagoa e Prontobaby - Hospital da Criança, que inclui a maior emergência pediátrica do estado, com seis mil atendimentos, 300 cirurgias e 600 internações mensais, organiza durante o mês de agosto diversas atividades para sensibilizar as famílias para o valor desse ato para a saúde de mãe e bebê.

Proteção conferida pela amamentação

Para a mãe

- Prevenção da depressão pós-parto

- Proteção contra câncer de mama

- Efeito protetor contra osteoporose

- Redução de riscos de doenças cardíacas, hipertensão, diabetes, hipercolesterolemia e acidente vascular cerebral

Para o bebê

- Diminuição da mortalidade infantil por doenças infecciosas

- Proteção contra incidência e gravidade das diarreias e infecções respiratórias

- Melhora do desenvolvimento cognitivo e coeficiente de inteligência

- Proteção contra alergias respiratórias (asma e rinite alérgica) e dermatite atópica

- Proteção contra o câncer infantil

- Proteção contra a desnutrição e melhora no desenvolvimento e crescimento

- Proteção contra a obesidade

Sobre Dra. Aline Magnino

Nutróloga Pediátrica e Coordenadora Médica da Unidade de Internação do Prontobaby - Hospital da Criança

Graduada em Medicina pela Universidade Gama Filho em 2008, é especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria, com pós-graduação em Nutrologia pela Santa Casa de São Paulo e especialização em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Atualmente, é membro do Comitê de Nutrologia Pediátrica da Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro e coordenadora médica da Unidade de Internação do Prontobaby - Hospital da Criança.

Sobre o Grupo Prontobaby

Fundado em 1961, o Prontobaby é atualmente o único Grupo dedicado exclusivamente ao atendimento pediátrico na cidade do Rio de Janeiro. Formado pelos hospitais Prontobaby - Hospital da Criança e Centro Pediátrico da Lagoa, pela unidade de pronto atendimento Prontobaby Méier, pelo Instituto de Especialidades Pediátricas e pelos serviços Homebaby - Home Care Pediátrico e Prontobaby na Escola, o Grupo Prontobaby alia acolhimento humanizado a alta tecnologia e constante atualização de seu corpo clínico para oferecer o cuidado mais adequado à saúde de crianças e adolescentes.  

 

Comentários

Últimas de Vida Saudável