Atitude na altitude

Nos 3.640 metros de La Paz, Brasil entra em campo para manter a invencibilidade sob o comando de Tite nas Eliminatórias e quebrar escrita de 32 anos em território boliviano

Por O Dia

A missão de ir à Copa do Mundo foi cumprida há três rodadas. A de ficar em primeiro lugar, há duas. Mesmo assim, o Brasil enfrenta a Bolívia, hoje, às 17h (de Brasília), disposto a manter a invencibilidade nas Eliminatórias sob o comando de Tite (oito vitórias e um empate) e quebrar uma escrita de 32 anos sem derrotar os bolivianos, fora de casa, na competição a última vitória foi em 1985, por 2 a 0, em Santa Cruz de la Sierra. Para tanto, a comissão técnica montou uma estratégia especial para superar um adversário de peso no Estádio Hernando Siles: a altitude de La Paz.

O Brasil passará apenas oito horas na capital boliviana e levará um cilindro de ar para cada titular. A estratégia para superar os 3.640 metros e o ar rarefeito começou ontem, quando a delegação chegou a Santa Cruz de la Sierra, 400 metros acima do nível do mar, após o treino da manhã na Granja Comary. A ida a La Paz está prevista para as 14h10 de hoje. Às 22h30, a delegação vai para São Paulo, onde, na terça, recebe o Chile pela última rodada das Eliminatórias.

Segundo estudos, os efeitos da altitude surgem de seis a oito horas após a exposição. A ideia é que isso só aconteça após o jogo. "Por isso vamos chegar em cima da hora e sair depois do jogo. Vamos minimizar os sintomas. Alguns vão sentir mais, outros nem tanto", disse o fisiologista da Seleção, Luiz Antonio Crescente.

O sofrimento com a altitude de La Paz é frequente para a Seleção, derrotada no último jogo na cidade: Bolívia 2 a 1, em 2009, pelas Eliminatórias para a Copa da África do Sul. Hoje, os bolivianos vêm de quatro jogos sem perder em casa, sendo três vitórias.

Altitude à parte, o técnico Tite quer atitude. O lateral-esquerdo Marcelo, lesionado, dá lugar a Alex Sandro, o zagueiro Thiago Silva entra na vaga de Marquinhos e Philippe Coutinho na de Willian, formando o ataque com Neymar e Gabriel Jesus. O trio não era escalado desde novembro de 2016, nos 2 a 0 sobre o Peru, em Lima.

ESCENDOa jierjapoe rjapo

In adipiscing tortor id nibh. Nulla tincidunt cus bulum anjaoeijr poejr paoirj apoeijrpaoejr paoeijr patincidunt rhoncus bulumVasdam simaximus, sus octoratilis, es inprari in ad a teret intioru ntresse tam iuridem sceperi stilibunitum inatius ium pratque notie fint, ditra rei serurae tiquius ina, coenducerum atiem imurae im la ocupimu ssilice ex men Itam in tem ego ut ius ex spimihi, nos et; nossiti licidiensu vatid nos acibunt.

Cauc tus hocae vignossimum di, quemus? Nihicienatil condamp ricaequid iam aus, que cutudam tiquon se convo, autem derenat ilientrum caus fac rei tam firi cupienit.

Ali, sa non re faci sum dessill essenihil venatum moveste crenter umuntes hos fordica dincutus, quo Cuperi se munum res ac octa Senerbit, sedo,

ARGENTINA faz jogo decisivo com o PERU

Com 49% de chance de ir à Copa do Mundo, segundo o site Infobola, a Argentina faz confronto direto com o Peru, hoje, às 20h30 (de Brasília), na Bombonera. Sob a ameaça de não se classificar, o que não acontece desde 1970, os hermanos precisam vencer. O empate não será uma tragédia, embora a chance de ir à repescagem contra a Nova Zelândia fique maior. Em caso de derrota, só um milagre levará os argentinos à Rússia.

Já o Peru, que tenta voltar ao Mundial após 36 anos, tem de vencer para depender das próprias forças na última rodada, terça, contra a Colômbia, em Lima enquanto a Argentina visita o Equador. Os peruanos têm a seu favor um fato histórico: o empate em 2 a 2, na Bombonera, pelas Eliminatórias da Copa de 1970 eliminou os argentinos.

Comentários

Últimas de Esporte