A Feira de Feira

Por Luís Pimentel Jornalista e escritor

Acabo de chegar do sertão baiano, onde, a convite da Universidade Estadual de Feira de Santana, ministrei oficina literária na Feira do Livro da cidade. Repito a experiência todo ano, com o enorme prazer que sinto sempre que tenho oportunidade de trocar experiência com jovens escritores. O material produzido pelos oficinandos, em prosa e em verso, é reunido pela universidade em modesto porém decente volume impresso, distribuído ao público e aos autores na edição seguinte.

Feira já revelou muitos brasileiros que espalharam e espalham seus talentos pelo Brasil e o mundo. Vieram da cidade pintores, escritores, músicos, atores e cineastas como Eduardo Portela, Raymundo Oliveira, Juarez Bahia, Olney São Paulo, Juracy Dórea, Carlo Barbosa, Franklin Maxado, Timbaúba, Jurandir da Feira, Carlos Pitta, Tito Pereira, Margarida Ribeiro, Ruy Barcelos, Antonio Miranda, Antonio Brasileiro, Roberval Pereyr e tantos, tantos outros.

Além de trabalhar e de rever amigos, sempre trago de lá alguns causos para passar adiante. Desta vez trouxe esse, fresquinho.

Passou-se no Município de Riachão do Jacuípe, bem perto de onde eu estava. A mocinha recém-casada, moradora da área rural da cidade, foi à primeira consulta com o ginecologista, após o matrimônio. Apressadinho para atender 20 ou 30 pacientes por hora, o médico foi logo ordenando:

Pode tirar a roupa, se deitar ali e abrir as pernas!

Aí a casadinha começou a chorar, nervosa. O doutor não entendeu o drama e quis saber qual o razão da angústia.

E ela, prendendo o choro:

Oxente, doutor. O senhor me desculpe, mas eu preferia engravidar do meu marido.

E mais uma cena de casal, dessa vez envolvendo a sogra (fetiche e ameaça que ronda os lares):

Eu vou pra casa da mamãe! grita a mulher, em meio à discussão.

Por ir! A porta está aberta reage o marido, fingindo pouco caso.

Aí ela dá o tiro de misericórdia:

Ah, é? Pois eu vou. Vou e volto com ela!

Causo de baiano típico que gosto muito é o do vizinho que tive na infância. Ele passava os dias e as noites estirado na rede, se balançando pra lá e pra cá. Outro vizinho, que trabalhava a semana inteira, um dia perdeu a paciência:

Levanta daí, cabra! Vai cuidar da vida. A preguiça é pecado, sabia?

E o conterrâneo, sem sequer olhar pro outro:

A inveja também...

Galeria de Fotos

Luís Pimentel, colunista do DIA Divulgação

Comentários

Últimas de Opinião