Consciência Negra terá um mês inteiro de atividades culturais

Secretária Nilcemar Nogueira e equipe preparam calendário de eventos por toda a cidade

Por O Dia

Para festejar o mês da Consciência Negra, um calendário repleto de atividades culturais, incluindo eventos com filmes, música, gastronomia e moda, está sendo organizado pela Prefeitura do Rio. A ideia foi moldada pela secretária de Cultura, Nilcemar Nogueira, que aposta nos equipamentos culturais para quebrar as diversas formas de preconceito e promover inclusão social. "A Consciência Negra, festejada em apenas um dia, agora terá um calendário plural que permitirá às pessoas conhecer algo que rejeitam por falta de informação", explicou.

Durante todo o mês de novembro, cariocas e turistas poderão aproveitar e conhecer a origem, os costumes e as curiosidades sobre os povos de matriz africana. Para viabilizar as festividades, a Secretaria Municipal de Cultura lançou edital para a inscrição de projetos que poderão ser incluídos no roteiro. A programação completa, que contemplará todas as regiões da cidade, deverá ser divulgada em até 15 dias.

Ainda este mês, a secretaria pretende inaugurar o Museu da Escravidão e da Liberdade nas proximidades do Cais do Valongo, porto de entrada de escravos africanos no Brasil, elevado a Patrimônio Mundial da Unesco. Segundo Nilcemar, o museu será instalado no Edifício Dom Pedro II, erguido por André Rebouças, primeiro engenheiro afrodescendente da História do Brasil. O local, que pertence à União, abriga a ONG Ação da Cidadania. "O museu terá o papel de revelar as memórias subterrâneas do local", ressaltou. O Ministério da Cultura informou que solicitou judicialmente a devolução do espaço e que está estudando acordo que permita a cessão de parte do prédio para a prefeitura e de outra para a ONG. Em paralelo, o ministério e o Iphan elaboram projeto do Centro de Interpretação do Cais do Valongo, conforme compromisso com a Unesco.

A secretaria lançou dois editais que vão selecionar projetos culturais, com shows de samba, charme, rodas de rima, dança do passinho, folia de reis e outros atrativos que enriqueçam o cenário cultural carioca. "O plano é fazer com que a cultura comece a pulsar nos espaços abertos da cidade. Temos que aproveitar o nosso cenário, que é muito favorável", afirmou Nilcemar.

A pasta também pretende selecionar projetos para realizar apresentações em unidades escolares que possuem teatro ou espaço multiúso, sobretudo em bairros que não dispõem de equipamentos culturais. "A cultura abre a visão de mundo e é instrumento fundamental na formação das crianças", avaliou a secretária.

Para bombar a Cidade das Artes

Um dos principais desafios da prefeitura é aumentar o público da Cidade das Artes. Os primeiros meses da gestão de Nilcemar mostram que o caminho está sendo percorrido da melhor forma possível. Em 2017, 150 mil pessoas estiveram no local, número cinco vezes maior do que o de 2016. A agenda para este ano já está completa, e produtores já viabilizaram parcerias para 2018, a fim de manter a casa em plena atividade. Todos os eventos são realizados por meio de parcerias, sem ônus aos cofres públicos. A secretaria pretende utilizar os recursos economizados na Cidade das Artes para promover eventos em lonas culturais e há projeto para erguer novas unidades.

E cerca de 400 alunos da rede municipal de ensino foram selecionados para integrar uma orquestra. Os ensaios ocorrem semanalmente na Cidade das Artes. A ideia é expandir o projeto. "Sediamos lá para que os jovens tenham o sentimento de pertencimento dos equipamentos públicos", ressaltou.

Galeria de Fotos

Cais do Valongo, recém-elevado a Patrimônio Histórico pela Unesco, é ponto-chave das celebrações Divulgação
Nilcemar: 'Cultura a pulsar' Maíra Coelho / Agência O Dia

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro