Sequestro não foi comunicado

Objetivo é descobrir local do 'clínica' clandestina onde o profissional sequestrado atendeu traficante

Por Bruna Fantti

Os investigadores da 21ª DP (Bonsucesso) tentam encontrar o local em que um traficante foi socorrido pelo médico sequestrado na madrugada de domingo a partir de três depoimentos e do rastreamento da ambulância roubada. Os bandidos pegaram o veículo na UPA do Complexo da Maré e levaram o médico e o traficante dentro até um lugar que seria uma clínica, provavelmente na Baixada.

Prestaram depoimento o médico sequestrado, o motorista da ambulância e o supervisor operacional da empresa Savior, que limpou o sangue do bandido do veículo antes da perícia chegar. Segundo a polícia, por volta de 1h30, traficantes da Vila do João, na Maré, trocaram tiros com policiais na Linha Amarela. Depois, socorreram um comparsa baleado para a UPA da Maré. A notícia foi publicada ontem pelo Extra e O Globo.

Na UPA havia três médicos: um pediatra e dois clínicos-gerais, sendo um homem e uma mulher. O clínico-geral atendeu o criminoso e observou que "estava com ferimentos no braço, cotovelo e antebraço esquerdos, 'completamente caído', tendo feito o atendimento básico e que ele deveria ser removido para hospital". No entanto, os traficantes queriam socorrer a quem eles chamavam de "chefe" em uma clínica clandestina. A polícia acredita que o traficante ferido seja Thiago Folly, o TH, chefe da facção TCP na Maré.

A supervisão da UPA foi forçada a pedir ambulância, que veio da unidade Engenho Novo. Em depoimento, o motorista disse que "foi recebido na Maré por cerca de 50 traficantes armados e obrigado a trocar de roupa com um deles dentro da ambulância". O paciente socorrido tinha "cabelos castanhos e escuros, era pardo e forte" a mesma descrição de TH.

O médico foi obrigado a entrar na ambulância e, antes de sair da favela, disse que "dois homens entraram no carro, fazendo perguntas sobre o quadro do paciente, aparentando ser conhecedores da área médica, devido às perguntas feitas". Uma mulher também entrou na ambulância como acompanhante. O médico disse que "por diversas vezes o ferido entrou em choque, em razão da quantidade de sangue perdida, tendo conseguido estabilizar minimamente o paciente". Após trafegar por "bastante tempo", a ambulância parou em um local, onde outros criminosos receberam o ferido. Ele, então, conta o colocaram em um carro preto, "sempre de cabeça baixa", e que foi deixado de volta na UPA da Maré. O médico não reconheceu os criminosos por fotos.

A ambulância foi devolvida às 11h de domingo, "por um homem branco, alto, aparentando 30 anos", segundo o supervisor da Savior. "Fizemos o cálculo e concluímos que a ambulância trafegou 111 Km com os criminosos", disse o delegado Wellington Vieira.

Galeria de Fotos

Vieira (foto) suspeita que o traficante ferido seja TH Fotos de Estefan Radovicz
Fuzil abandonado pelo bando tem inscrição: 'Tropa do TH' Fotos de Estefan Radovicz
Ambulância usada pelos bandidos para transportar ferido foi lavada antes da realização da perícia Fotos de Estefan Radovicz

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro