Militar armeiro do tráfico

Sargento do Exército é suspeito de montar oficina e fabricar peças de armas

Por O Dia

O sargento do Exército Carlos Alberto de Almeida, 46 anos, apontado pela polícia como o maior armeiro do tráfico de drogas da facção Terceiro Comando Puro (TCP), foi preso por policiais da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) na Favela da Coreia, em Senador Camará, Zona Oeste, na noite de ontem.

De acordo com o delegado Fabrício Oliveira, titular da Desarme, no mês passado o sargento chegou a montar uma oficina de armas no interior da favela da Rocinha com o objetivo de preparar as armas aos traficantes que trabalhavam para Rogério Avelino, o Rogério 157.

"Almeida foi contratado diretamente por Rogério 157 e atuaria pela primeira vez em uma comunidade dominada pela facção Amigos dos Amigos (ADA), em virtude da aliança entre o TCP e a ADA, a chamada TCA", disse Oliveira. A existência da aliança foi noticiada pelo DIA em maio deste ano.

Outras três pessoas envolvidas na quadrilha também foram presas em flagrante com ele: Alexsandro Rodrigues Figueira, de 34 anos; Felipe Rodrigues Fugueira, 31, e Murilo Barbosa Ludigerio, 22.

No momento da prisão, os quatro fabricavam peças de armas de fogo e realizavam a montagem de fuzis que seriam entregues aos chefes do tráfico de drogas que atuam nas favelas da Coréia, na Zona Oeste; na Vila dos Pinheiros, Parada de Lucas; Serrinha, morro do Dendê, na Zona Norte, e algumas favelas do TCP na Baixada Fluminense.

Segundo a Desarme, o sargento era chamado de soldado, Mauricinho ou professor e trabalhava na Escola de Sargentos de Logística do Exército Brasileiro. Por 25 anos ele serviu na reserva de armamento da unidade militar e, há pelo menos 10 anos, trabalharia como armeiro do tráfico. Durante a operação, os policiais apreenderam vários fuzis e pistolas, além de ferramentas e peças de armas desmontadas.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro