Com juros baixos e sem precisar de avalista, penhor atraí mais clientes

Por O Dia

Alternativa que oferece taxas de juros mais em conta (2,1% ao mês) e sem necessidade de avalista, o penhor da Caixa Econômica Federal tem atraído cada vez mais clientes. Somente no Rio, no período de janeiro a outubro deste ano, houve uma variação de 12% no valor contratado em penhor ante igual período do ano anterior. Os números saltaram de R$ 2,1 bilhões em 2016 para para R$ 2,36 bilhões este ano.

Mas afinal, o que pode ser penhorado? Joias em ouro como alianças, correntinhas, brincos ou braceletes , pedras preciosas, relógios e canetas, por exemplo, informou a Caixa.

Os empréstimos variam de 10% a 85% sobre o valor da avaliação, que é feita na hora por um técnico especializado. Não há limite para esse tipo de operação e o dinheiro é liberado na hora, sem precisar comprovar renda ou passar por análise dos serviços de proteção ao crédito.

O cliente pode levar o dinheiro ou, no caso de correntista da Caixa, é feito depósito em conta. Dependendo do relacionamento com o banco e se tiver feito outros penhores e pago na data correta, o valor desembolsado pode chegar a 100% do valor do objeto.

Dá para renovar o penhor quantas vezes o cliente quiser. Mas ao colocar uma joia no 'prego', é preciso ter atenção às datas de vencimento. Depois de 30 dias de atraso no pagamento, a peça vai à leilão. "O risco que o cliente corre é esquecer de pagar, ou pelo menos renovar, para não perder a joia", alerta Gilberto Braga.

Comentários

Últimas de Economia