Delator acusa Globo de pagar propina por direitos

Empresário diz que a emissora fazia parte de esquema que é alvo no Caso Fifa

Por O Dia

O empresário argentino Alejandro Burzaco, ex-presidente da empresa Torneos y Competencias, afirmou ontem, em depoimento para o Caso Fifa, no Tribunal Federal do Brooklyn (EUA), que a TV Globo pagou propina por direitos de transmissão de diversas competições. Burzaco, um dos principais delatores do processo, que tem como um dos réus o ex-presidente da CBF José Maria Marin, ainda acusou a Fox Sports, Televisa, Media Pro, Full Play e Traffic de fazer parte do esquema.

Burzaco, que se entregou à Justiça americana em 2015, revelou que sua empresa de marketing esportivo subornava dirigentes do alto escalão do futebol e fez parcerias com importantes grupos de mídias para negociar direitos de competições da Conmebol, como Copa América, Copa Libertadores e Sul-Americana.

Em comunicado oficial, a Globo negou as acusações e ressaltou que não faz parte do processo. "Sobre depoimento ocorrido em Nova York, no julgamento do Caso Fifa pela Justiça dos Estados Unidos, o Grupo Globo afirma veementemente que não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina. Esclarece que após mais de dois anos de investigação não é parte nos processos que correm na Justiça americana", informa um trecho da nota.

Além de Marin, o Caso Fifa tem como réus o paraguaio Juan Ángel Napout, ex-presidente da Conmebol, e o ex-presidente da Federação Peruana Manuel Burga.

Comentários

Últimas de Esporte