ANS suspende 31 planos de saúde

Por O Dia

Trinta e um planos de saúde de dez operadoras não poderão ser oferecidos no mercado. Ontem, a Agência Nacional de Saúde (ANS) divulgou a lista de convênios que tiveram a venda suspensa devido a reclamações de cobertura e demora no atendimento no 3º trimestre de 2017. Estes planos ficarão impedidos de aceitar novas adesões por três meses, caso se readequem, poderão voltar ao mercado, informou a agência.

No Rio, a medida abrange 11.724 usuários de planos de saúde que, segundo a ANS informou ao DIA, "não serão afetados pela suspensão de comercialização porque já têm planos". Entre as operadoras que estão proibidas de vender planos está a Caberj, caixa de assistência de advogados, que está impedida de comercializar os convênios Multi e Essencial 20 E, que juntos têm 7.454 usuários.

Já a Samoc não pode comercializar o convênio Ambulatorial hospitalar sem obstetrícia, que tem 4.270 beneficiários. Além de terem a comercialização suspensa, as operadoras que negaram indevidamente cobertura aos beneficiários podem ser multadas. "Com isso, buscamos incentivar as empresas a melhorar o acesso do cidadão aos serviços contratados", explica a diretora de Normas e Habilitação de Produtos da ANS, Karla Coelho.

Os 31 convênios com venda interrompida atendem a 167,7 clientes, que não serão afetados e continuam com atendimentos normais. A suspensão faz parte do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento da ANS. A suspensão é uma ação preventiva e vigora até a divulgação do próximo ciclo. Para voltar a comercializar esses planos a novos clientes, as operadoras precisam resolver os problemas assistenciais", diz Karla.

A lista com os planos que tiveram a venda suspensa pode ser conferida no site www.ans.gov.br. Paralelamente à suspensão, 27 planos de 7 operadoras que conseguiram melhorar o atendimento estão sendo reativados neste ciclo. "Esses planos demonstraram à ANS que houve melhoria na assistência, por isso estão sendo liberados para comercialização para novos clientes", informa a diretora da ANS.

Comentários

Últimas de Economia