PMDB adia divulgação de programa para área social

Para a cúpula da legenda, o partido deve se concentrar para fazer avançar impeachment da presidente Dilma, no Senado

Por O Dia

Brasília - O vice-presidente Michel Temer adiou a divulgação do programa "Uma Ponte para o Futuro - Travessia Social". Primeiro, o peemedebista quer ouvir sindicalistas. Além disso, há divergências no PMDB quanto ao momento de torná-lo público.

Para a cúpula da legenda, o partido deve se concentrar para fazer avançar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, no Senado. Também avalia que o PMDB não deve entrar no debate de benefícios sociais já existentes. O entendimento desses peemedebistas é de que o foco deve ser tomar conhecimento do tamanho do problema na área econômica para depois defender possíveis ajustes nos benefícios.

Há divergências no PMDB quanto ao momento de tornar programa públicoAgência Brasil

A apresentação do programa social do PMDB é uma tentativa de o partido se blindar das acusações de petistas segundo as quais, se Temer assumir a Presidência, programas como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e Pronatec vão acabar.

Temer busca, ainda, respaldo de centrais sindicais. Para tanto, recebe nesta terça-feira, 26, presidentes da Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Sindicatos do Brasil (CSB) e Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), a fim de construir um contraponto à CUT, apoiadora do PT que o classifica como "golpista".

Na conversa desta terça-feira os sindicalistas tentarão obter de Temer um compromisso de preservação dos direitos dos trabalhadores. "Vemos com preocupação a defesa de empresários, liderados pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf, de temas como a flexibilização genérica na área trabalhista", disse o presidente da UGT, Ricardo Patah.

A recente e longa conversa de Temer com o presidente da Fiesp deixou sindicalistas em alerta. "Ele tem ouvido empresários e financistas, então queremos ir lá também colocar nossas castanhas em jogo", disse o presidente da CSB, Antonio Fernandes dos Santos Neto.

Para o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), da Força Sindical, não haverá reforma trabalhista. "Se já é difícil para um governo eleito, imagina para um governo transitório." Ele pretende dizer, porém, que a conta da recessão e do ajuste "não pode ser paga por um lado só, o dos trabalhadores."

Últimas de Brasil