Em São Paulo, PM atira contra grupo acampado perto da casa de Temer

Tropa de Choque dispersou com bombas de efeito moral, tiros de bala de borracha e com jato d'água manifestantes, pacíficos, ocupados perto da casa do presidente interino Michel Temer

Por O Dia

São Paulo - A Tropa de Choque da Polícia Militar de São Paulo, dispersou com bombas de efeito moral, tiros de bala de borracha e com jato d'água, no início da madrugada desta segunda-feira, os cerca de 150 manifestantes, pacíficos, que estavam acampados próximos a casa do presidente em exercício Michel Temer, no bairro de Alto dos Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. 

Durante a tarde desse domingo, cerca de 30 mil pessoas, segundo os organizadores e 5 mil para a Polícia Militar, participaram de um ato contra Temer. A ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) em frente a casa de Michel teve início por volta das 20h de domingo.

Tropa de Choque dispersou manifestantes com bombas de efeito moral%2C tiros de bala de borracha e com jato d'água Reprodução / TV Globo

Vídeos publicados no Facebook dos movimentos que organizaram a ocupação mostram a Tropa de Choque usando jatos d'água, bombas de efeito moral e balas de borracha para dispersão e os manifestantes sentados no chão do lado contrário da chegada dos policiais.

Em nota divulgada no Facebook, o MTST, criticou a ação e afirmou que o governador Geraldo Alckmin (PSDB)  "permitiu por mais de 2 meses a ocupação na Av. Paulista sem qualquer tipo de crítica, querem retirar em poucas horas a ocupação da casa do Michel Temer!".

"Depois de assumir de maneira vergonhosa e golpista a Presidência da República após a aprovação da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Roussef, o governo Michel Temer anunciou uma equipe de governo corrupta e impopular, que na primeira semana anunciou cortes na saúde pública, na cultura e em programas sociais. Anunciou também o corte na construção de 11 mil moradias que seriam construídas via programas habitacionais para a população pobre", afirma o comunicado.

Até o momento, nem a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e nem Polícia Militar responderam de quem seria a ordem de retira os manifestantes do local. 

Últimas de Brasil