Esplanada: Polícia tem provas que jovem viajou para SP no caso Feliciano

Patrícia Lélis viajou para a capital paulista para negociar pagamento de R$ 300 mil por seu silêncio, o que derrubaria a tese de sequestro e coação

Por O Dia

Rio - A Polícia já tem evidências de provas de que a jornalista Patrícia Lélis viajou para a capital paulista a fim de negociar o pagamento de R$ 300 mil em parcelas de R$ 50 mil por seu silêncio. Desta forma ela mudaria a versão revelada à Coluna, da agressão e tentativa de estupro pelo deputado Marco Feliciano dentro do apartamento funcional – denúncia que ela mantém e que também já é investigada em Brasília e com fortes indícios de ter ocorrido.

A suposta negociação veio abaixo quando a mãe de Patrícia chegou de surpresa em SP atrás da filha, saíram do hotel e foram à delegacia.

Prints, sempre

O que derrubou a tese de seqüestro qualificado e coação contra Patrícia em SP foi a mesma prova que ela apresentou contra Feliciano: prints de conversas no WhatsApp.

Prints mostram conversa entre Patrícia e BauerReprodução

Vendeta

Quem entregou Patrícia foi Emerson Biazon, que a levou para SP propondo emprego. Ele se sentiu traído ao se ver denunciado por ela na Delegacia da Mulher no DF

Emoçõe$

Emerson mostrou ao delegado do 3º DP conversas atribuídas a Patrícia no aplicativo, nos quais falam dos R$ 300 mil. Ambos estavam tensos sobre possível vazamento.

Prepostos..

Questionada pela Coluna, Patrícia admitiu ontem que deixou Emerson e um homem chamado Artur, do Rio, negociarem com o assessor de Feliciano.

Queria paz

Patrícia revela, em sua defesa, que se envolveu e não pediu dinheiro. “Não peguei nada, era para eles. Eu só queria que Feliciano e Bauer me deixassem em paz”.

Cara limpa

A polícia continua com a cautela necessária. O delegado Hellmeister ouviu Emerson por três horas, e descobriu que Patrícia pagou R$ 700 por uma maquiagem para um vídeo.

Mistério

Outro mistério, que a Coluna já revelou: quando Patrícia já estava em SP, ela telefonou para a mãe e pediu uma conta com CNPJ para depósito, sem rastros.

Mãe é mãe

Ontem, durante 40 minutos de entrevista à Coluna, a mãe de Patrícia protegeu a filha, narrou ordem cronológica do que viu em SP e na defesa revelou o saldo atual: R$ 126.

Defesa

O criminalista José Carlos Carvalho, advogado de Patrícia, vai pedir aprofundamento das investigações policiais, em SP e Brasília. Alega que a cliente é vítima de montagens e que ela sofreu seqüestro e coação. Na entrevista à Coluna (vamos publicar no canal no Youtube) a mãe reforça detalhes de como a filha era coagida até elas fugirem.

Sem santos

Agora, há duas frentes claras de investigação, nas quais ninguém é santo nessa novela: Feliciano é forte suspeito de ter descido a mão na garota. E ela, muito suspeita de ter tentado vender seu silêncio. Ambos passaram a negar, em suas defesas.

Off, por ora

Um deputado que mora no andar superior ao de Feliciano, confidenciou a amigos que ouviu comentários dos porteiros e seguranças sobre o escândalo do dia 15 de junho.

Quem apareceu..

O chefe de gabinete de Feliciano, pivô da encrenca em SP, apareceu em Brasília, Circula com dois capangas – visivelmente policiais. A coluna obteve foto de fonte.

Escolta

O advogado de Patrícia, ao saber da presença de Bauer e asseclas, oficiou as autoridades judiciais e pediu proteção policial 24 horas para a jovem e família

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil