Bumlai é condenado a nove anos de prisão na Lava Jato

Sentença foi publicada na manhã desta quinta e também condena Fernando Baiano, Vaccari Neto, Cerveró e outros

Por O Dia

Paraná - O pecuarista José Carlos Bumlai foi condenado a 9 anos e 10 meses de prisão nesta quinta-feira pelo juiz federal Sérgio Moro, na Operação Lava Jato, por fraude de instituição financeira e corrupção.
A sentença foi publicada na manhã desta quinta-feira. Ele irá cumprir pena em regime fechado. Apontado como amigo do ex-presidente Lula, Bumlai voltou a ser preso no início deste mês. 

Bumlai pegou empréstimo fraudulento de R$ 12 milhões junto ao Banco Schahin em 2004 Valter Campanato/Agência Brasil

A ação penal também condena mais sete: o empresário Fernando Antonio Falcão Soares, conhecido como Fernando Baiano, (seis anos em regime semiaberto por corrupção), o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto (6 anos e 8 meses, regime semiaberto por corrupção passiva), os executivos Milton Schahin e Salim Schahin (9 anos e 10 meses de prisão por corrupção e gestão fraudulenta), o executivo Fernando Schahin (5 anos e 4 meses em regime semiaberto por corrupção ativa), o ex-gerente da Petrobras Eduardo Musa (6 anos em regime semiaberto por corrupção) e o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró (6 anos e 8 meses, regime semiaberto por corrupção passiva).

Bumlai foi condenado por tomar um empréstimo de R$ 12 milhões junto ao Banco Schabin em outubro de 2004 e quitá-lo de forma fraudulenta. Segundo investigações, esse dinheiro, foi para suprir o caixa do PT, que se encontrava em dificuldades na ocasião. Na ocasião, foi simulada uma doação falsa de embriões bovinos para o pagamento. 

A condenação também veio em função de sua participação, solicitação e obtenção de vantagem indevida em um contrato que a Petrobras fez com o Grupo Schabin para a operação do Navio-Sonda Vitória 10.000, em 2009. O grupo foi favorecido em US$ 1,6 bilhão e o contrato não teve licitação. 

Moro ressaltou na sentença que não houve colaboração de Bumlai, mas "confissão parcial". A defesa do pecuarista afirma que irá recorrer da sentença.

Bumlai está detido no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba desde o última dia 6. Antes disso, ele passou cinco meses em prisão domiciliar por conta de um tratamento na bexiga e uma cirurgia cardíaca. 


Últimas de Brasil