Dilma diz que prender Lula seria burrice, pois faria dele um herói

Ex-presidente falou que estratégia é 'inviabilizá-lo'. Ela se emocionou ao falar sobre a mãe e polêmica de ser chamada de 'assassina de cachorros'

Por O Dia

Brasília - A ex-presidente Dilma Rousseff deu sua primeira entrevista exclusiva para uma emissora nacional após o impeachment, à "TVE Bahia". Em transmissão na noite desta terça-feira, Dilma afirmou que não acredita na prisão do ex-presidente Lula, pela Operação Lava Jato, pois isso faria dele um herói. Segundo Dilma, a estratégia é inviabilizá-lo para eleição em 2018.

“Não acredito que eles cometam este absurdo, não porque sejam bons, mas acredito que também não são burros. Acho que transformará a prisão de uma pessoa visivelmente injustiçada em um herói. Acho que eles não irão querer. Acho que a estratégia é inviabilizá-lo para 2018. O golpe só se completa com isto. As forças que deram o golpe têm muito interesse que ele seja julgado e condenado. Eles tiram o Lula do jogo e se livram da Lava Jato”, afirmou a ex-presidente.

Dilma falou sobre política e assuntos pessoais em entrevista à 'TVE Bahia'Reprodução Youtube

Dilma reiterou que sofreu um golpe e chamou Michel Temer de "presidente ilegítimo" e "usurpador". Ela ainda fez coro com a esquerda para dizer que o PMDB retira direitos do trabalhadores com seu programa de governo "Uma ponte para o futuro".

Ela também criticou algumas posições tomadas na Lava Jato, como a prisão do ex-ministro Mantega, revogada cinco horas depois, quando "Cunha está solto". “Prender o Guido Mantega é expô-lo a uma condenação que não existe, é a condenação da mídia, e a distorção que essa publicidade dá. Lamento imensamente a prisão dele dentro de um hospital. A senhora dele está lutando contra um câncer desde o final de 2013", disse Dilma.

Emoção

Em um trecho da entrevista, Dilma se emocionou ao falar sobre a mãe, que atravessa problemas de saúde e não sabe que seu mandato foi cassado. "A minha mãe está com 93 anos e agradeço a Deus e a todas as forças que ela não saiba. Ela está indo para outro plano já", disse.

Uma das coisas que mais a magoou nos dias de "transição" foi o boato de que teria mandado matar um de seus cachorros. "Teve um viés misógino, machista em relação à figura que construíram de mim. Suportei muitas coisas. Uma das que fiquei extremamente magoada foi a história do cachorro. Eu nunca deixei de ter cachorro, tive a vida inteira. Eu tinha cinco cachorros, todos eles eu herdei. Dois foram do ex-presidente Lula, eu os criei, o meu tinha 13 anos, uma que eu peguei na rua e uma que eu ganhei", contou Dilma.

"O meu cachorro de 14 anos era um labrador e fiz de tudo para ele não morrer, mas aí ele teve duas doenças e por isso foi sacrificado. Aí virei assassina de cachorro", finalizou.


Últimas de Brasil