Banco do Brasil faz auditoria sobre crédito para a Odebrecht

Ex-presidente foi preso na Lava Jato nesta quinta. Ele é acusado de pedir propina no valor de R$ 17 milhões quando estava à frente do banco

Por O Dia

Brasília - Apesar da informação, dada em delação por Marcelo Odebrecht, de que não atendeu a um pedido de propina de Aldemir Bendine quando ele ocupava a presidência do Banco do Brasil, a Odebrecht Agroindustrial obteve crédito de R$ 1,7 bilhão com o banco estatal após o pedido de comissão do executivo.

Aldemir Bendine foi preso pela PF nesta quintaDivulgação

Um segundo pedido de empréstimo de R$ 1,2 bilhão, porém, foi negado meses depois. Atualmente, o BB conclui auditoria interna sobre todos os créditos concedidos à empresa e entregará ao Ministério Público Federal o resultado dessa investigação.

Uma fonte que acompanha o tema no BB informou ao Estadão que o empréstimo de R$ 1,7 bilhão foi aprovado para a subsidiária da Odebrecht quase um ano após o pedido feito pela empresa do setor agroindustrial.

Com a decisão, foi renovado o crédito mais antigo que estava próximo do vencimento - operação conhecida como "rolagem" do financiamento. Segundo a fonte, o novo empréstimo teve aumento das garantias e juro mais elevado. A subsidária está pagando em dia as parcelas do crédito. 

Ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil, Aldemir Bendine foi preso pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira, em Sorocaba, interior de São Paulo, na 'Operação Cobra', desdobramento da Lava Jato. 

Bendine está preso em Curitiba e aguarda julgamento


Últimas de Brasil