'Bingo' será o representante brasileiro no Oscar 2018

Protagonizado por Vladimir Brichta, filme que conta a história do intérprete do palhaço Bozo agora tenta chegar entre os finalistas

Por O Dia

Rio - O filme "Bingo - O Rei das Manhãs", do diretor Daniel Rezende, foi escolhido, nesta sexta-feira, para ser o representante do Brasil na disputa pelo Oscar na categoria de melhor produção estrangeira. A entrega do prêmio será feita no dia 4 de março.

A produção, que conta a história de Arlindo Barreto, ex-intérprete do palhaço Bozo, disputava com outros 22 filmes. O próximo passo é ser avaliado pela comissão da Academia até janeiro, quando serão anunciados os finalistas da premiação. 

O filme, protagonizado por Vladimir Brichta, já havia sido escolhido pela Ancine como candidato do Brasil a uma vaga de filme estrangeiro no Goya, considerado o Oscar espanhol.

"Bingo" será o representante brasileiro na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiroDivulgação

'Superou expectativas'

Mais de 200 membros da comissão formada por profissionais da área cinematográfica ajudaram na tomada de decisão.

Jorge Peregrino, vice-presidente da academia, avalia que a safra de filmes apresentados este ano mostrou muita qualidade, mas Bingo superou expectativas. O drama aborda a vida de Arlindo Barreto, um dos intérpretes do palhaço Bozo na televisão brasileira na década de 80. Apesar da fama, ele não era reconhecido pelo público na rua, o que o levou à frustração e envolvimento com drogas.

O cineasta e produtor João Daniel Tikhomiroff, membro da comissão, disse que foram levados em conta quesitos como universalidade, linguagem cinematográfica e compreensão internacional. “Bingo preenche todos os quesitos”, declarou. “Além de ser extremamente bem estruturado, com roteiro, elenco e edição, é muito bem-feito. Nos deixou bastante impactados e este é o primeiro critério que focamos”, avalia.

Segundo ele, a escolha demorou mais que o esperado, já que a comissão era formada por membros com opiniões divergentes. “Foi difícil escolher, tinha obras muito relevantes. Teríamos pelo menos três ou quatro filmes que poderiam representar o Brasil”, revelou.

O cineasta Miguel Faria Júnior, também membro da comissão, disse que não focou no público dos Estados Unidos, onde será disputado o Oscar. “Quis escolher o filme mais importante, o melhor produzido no Brasil este ano. Normalmente, o que faz sucesso fora do Brasil são os mais provincianos, não são filmes com capa de marketing”, disse.

Com informações da Agência Brasil.

Últimas de Brasil