Militar traído em ‘Boogie Oogie’ vira centro das atenções

Daniel Dantas diz que Elísio deveria perdoar

Por daniela.lima

Rio - O título de ‘corno do ano’ vai para... Elísio, de ‘Boogie Oogie’. Militar linha dura, o personagem de Daniel Dantas na novela das 18h viveu o drama de descobrir uma traição da mulher, Beatriz (Heloísa Périsse), o que culminou com uma separação. Azar de uns, sorte de outros. O casal virou o centro das atenções da trama de Daniel Ortiz, com direito até a uma discreta torcida do ator, de 60 anos, para um final feliz. “Para o Elísio, separação é imperdoável, intolerável, o que torna tudo isso muito curioso caso um dia ele venha a aceitar a traição de Beatriz”, analisa ele. 

Na trama das 18h%2C Elísio é enganado por Beatriz (Heloísa Périssé)Divulgação


E Daniel não foge desse tema polêmico. “Existem vários tipos de traição. E depende muitíssimo de circunstância. Eu, particularmente, não acho essa traição de ordem sexual a mais grave. Tem momento do relacionamento que permite isso, que abre margem para isso. A gente é, em geral, carente. A traição mais difícil de perdoar é a que envolve trabalho, as suas ideias, planos, assim como votar em um cara e ele fazer o contrário do que prometeu, mentir descaradamente. Isso tudo é mais sério do que uma traição sexual, que tem sempre uma coisa circunstancial que meio que justifica”, comenta.

Mas será que, se estivesse no lugar de Elísio, o ator perdoaria Beatriz? “Eu, com certeza, perdoaria a Beatriz. Não faria nada extremo com ela, mas poderia não querer mais aquela relação. Certamente, não me acharia no direito de tomar nenhuma atitude extrema”, afirma.

De fato, quem entende de atitudes extremas é Elísio, que, além de ter expulsado a mulher de casa — embora depois tenha aceitado-a de volta ao lar apenas para que cuide dos filhos —, ainda é muito rígido. “Na vida, é necessário ter uma certa disciplina, mas ele aplica essas regras de um ponto muito autoritário, mais ou menos o esperado de um militar. A ideia é boa, mas ela fica corrompida pelo enfoque que ele dá”, acredita o ator, que diz ser o oposto do personagem: “Sou muito indisciplinado, bastante desorganizado na vida, mas muito concentrado e disciplinado para trabalhar.”

Só mesmo com muita disciplina para Daniel dar conta de tudo que pretende fazer nesse novo ano. “Quero voltar com a peça ‘Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?’, estou procurando uma peça para dirigir e penso em dirigir alguma coisa na Globo. Não quero deixar de atuar, mas a direção me abre opção de uma coisa que eu tenho prazer em fazer. Também lanço este ano o filme ‘Pequeno Dicionário Amoroso 2’”, avisa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia