Escritora Pepper une duas plataformas diferentes com seus livros

Ela vai do digital para o papel sem abrir mão do público adolescente

Por O Dia

Rio - Representante brasileira das histórias fantásticas lançadas em trilogias, FML Pepper pula do formato digital para os livros de papel cercada de expectativas. Em formato físico, ‘Não Pare’ (Ed. Valentina, 280 págs, R$ 29,90) ganha lançamento hoje na Livraria Cultura do Centro, após dois anos consecutivos entre os cem e-books mais vendidos da Amazon Brasil. Com isso, Pepper é a primeira autora nacional a assinar um contrato híbrido, unindo duas editoras trabalhando em plataformas diferentes — a Valentina no físico e a Amazon no digital. 

Fátima Pimentel%2C a FML Pepper%3A do livro digital para o de papelDivulgação


Já disponíveis em digital, saem em breve no formato físico os dois próximos volumes da trilogia, ‘Não Olhe!’ (este, no estande da Valentina na Bienal do Livro, em setembro) e ‘Não Fuja!’. A série fala das aventuras da adolescente Nina, 16 anos, superprotegida pela mãe, com quem leva uma vida nômade e tem muitos conflitos. Elas acabam parando em Nova York, onde Nina faz novos amigos e vive um bizarro flerte com a morte, representada pelo encontro com o valentão da escola, Richard. E pode ser que o livro consiga fazer sucesso fora do Brasil, já que Pepper, 32 anos, recebeu propostas de tradução em inglês, pela própria Amazon.

“Acho que o livro foge dos padrões, porque o mocinho é o vilão que se apaixona pela protagonista e continua mau. Os maus têm direito de amar, né?”, ironiza FML Pepper, ou Fátima Pimentel (o Pepper é uma brincadeira com seu sobrenome).

Formada em Odontologia e ainda trabalhando como dentista em Niterói, onde mora, ela nunca nem tinha pensado em escrever um livro. Resolveu começar quando ficou grávida do filho Ricardo, hoje com 5 anos. “Tive gravidez de alto risco. O médico me proibiu de fazer qualquer esforço. Então, li mais de 90 livros e ainda arrumei tempo para pesquisar o mercado americano, autores independentes. Deixei tudo amarrado até o terceiro livro”, explica, dizendo ter pensado em cada detalhe. “Passei quase um ano só desenvolvendo o universo dos personagens”, relembra. 

Iniciante no mercado, resolveu logo partir para a autopublicação. “Tinha colocado a trilogia primeiro na Amazon americana, mas ela só ficou conhecida quando a empresa veio para o Brasil. Uma amiga me ligou para informar que eu estava entre as cem mais vendidas e nem acreditei.”

O livro físico (e o tal contrato híbrido) surgiram quando, após mais de 41 mil curtidas na página do Facebook e o número expressivo de 12 mil ebooks vendidos, seus fãs começaram se mobilizar. “Nem estava nos meus planos lançar livros de papel, mas eles começaram a pedir. Só topei se pudesse manter a publicação digital”, conta Pepper, também muito ativa nas redes sociais. “Isso ajudou bastante. Acho que respondi 99,9% das mensagens que recebi até hoje.”

Últimas de Diversão