Erasmo Carlos comemora 75 anos com show no Imperator

Cantor também escreve livros de poesia

Por O Dia

Rio - ‘Quem sabe eu não viro o Mário Bethânio?”, brinca Erasmo Carlos. A abelha-rainha da MPB Maria Bethânia, como todo mundo sabe, adora recitar textos em seus shows. Preparando aos poucos um álbum de inéditas e um livro de poesias, o Tremendão pensa em fazer em breve o mesmo que a baiana. “Nunca fiz isso e adoro experiências novas”, conta Erasmo, a poucos dias de completar 75 anos (chega à idade no domingo) e de trazer o show de seu disco ‘Gigante Gentil’ ao Imperator, no sábado, com direito a comemoração de aniversário no palco (aliás, veja na página 3 como ganhar ingressos para o show).

Erasmo Carlos completa 75 anos com show e livro de poesiasDivulgação

O livro de Erasmo vai incluir cem textos do cantor. Mesmo mexendo com versos desde que começou a compor, ele tinha pouco envolvimento com poesia pura.

“Até fazia, mas guardava pra mim. Na canção, a poesia fica restrita à métrica da música. No livro, faço como eu quiser, faço rima se eu quiser. Comecei a desenvolver e estou na poesia 66”, conta ele, ainda sem editora (e sem título para o livro!) e pensando na organização do material a ser publicado. “Pode ter poesias e fotos. Vejo muito livro de poesia aí que tem uma página em branco, depois duas frases. Mas acho meio enganação, muita vaidade”, diz.

Há dois anos, por sinal, Roberto Carlos lançou uma fotobiografia de luxo, com fotos e versos de suas músicas. Não foi referência para Erasmo, já que o Tremendão nem tem o livro do amigo e parceiro. “Não comprei, não, tá muito caro!”, conta (o livro, da editora Toriba, chegou a ser vendido por R$ 4.500).

Em ‘Sou Uma Criança, Não Entendo Nada’, hit lançado quando Erasmo tinha 33 anos, o cantor lembrava da época em que, menino, achava que era um homem e entendia tudo. E aos 75? “Ah, sou um uma criança e um homem que não entende porra nenhuma”, diz o cantor, avisando que vai puxar um coro de “parabéns” para si próprio no palco, “antes mesmo que alguém fale: ‘Hoje é aniversário dele!’”.

Se no sábado a festa é com fãs, no domingo Erasmo irá se recolher. “Para mim é um dia normal, não vou fazer nada. Um filho meu vai viajar, o outro morreu (o músico Alexandre Pessoal, morto em 2014 em um acidente de moto). Mas claro que é uma vitória conseguir completar mais um ano de vida”, afirma.

SHOW NO SÁBADO

A apresentação no Imperator traz de volta o repertório do disco ‘Gigante Gentil’, lançado por Erasmo em 2014. O cantor vinha fazendo o lançamento do DVD ‘Meus Lados B’, só com músicas pouco conhecidas de seu repertório, e diz que os dois setlists se encontram no show de sábado. “Virou uma mistura dos dois”, diz o cantor, que apresentou um show com as músicas do disco ‘Carlos, Erasmo’ (1971) na Virada Cultural paulista recentemente, mas não pensa em repetir a dose com outros discos clássicos seus. “Aí, eu posso acabar cantando músicas que eu nem gosto mais. O ideal é fazer o melhor do disco”. O show tem abertura do Fuzzcas, grupo que participou da batalha de bandas ‘SuperStar’, da Globo. Erasmo recomenda o show do quarteto. “Adoro o som deles”.

POESIA DO TREMENDÃO

A ternura é azul e amargura é pior que o cigarro

“Sou apenas um menino velho
Vilão dos meus pesadelos
Preto na minha alma
E branco dos meus cabelos
Apenas um fedelho espichado
Que deixou escorrer a inocência
Pelo ralo da sobrevivência”

Últimas de Diversão