Samba do veterano Marcio André vence no Império da Tijuca

Escola do Morro da Formiga é a primeira do Grupo Especial a definir hino para 2014

Por O Dia

Rio - O Império da Tijuca abriu oficialmente, na madrugada deste sábado, a temporada de escolhas de samba do Grupo Especial rumo a 2014. Após uma final de altíssimo nível, com quatro belos sambas, sagrou-se vitoriosa a parceria de Marcio André, Vaguinho, Rono maia, Alexandre Alegria, Karine Santos e Tatá. Após 17 anos no grupo de acesso, a tradicional agremiação do Morro da Formiga vai abrir o desfile na Sapucaí, no Domingo de Carnaval.

Acostumado a participar de disputas, o compositor Marcio André, de 51 anos, que também é diretor de Carnaval na União da Ilha, comemorou bastante o título e afirmou que o samba vai ajudar a escola a fazer um "grande desfile". "Quando a parceria se juntou, pensamos muito na questão de abrir o desfile. Por isso, fizemos um samba forte, com pressão, que vai ser bom para o componente. A melodia também tem um diferencial e conquistou as pessoas", analisou o veterano, que já havia vencido na escola em 2012. Em quase três décadas no Carnaval, Marcio André coleciona dezenas de vitórias em disputas, sendo seis delas na União da Ilha e mais duas na Imperatriz Leopoldinense.

Parceria campeã do Império da TijucaRicardo Almeida / Divulgação


O resultado também teve sabor especial para Karine Santos, de apenas 22 anos, que disputou pela primeira vez. Apaixonada por Carnaval, a jovem revelou que aprendeu a gostar de samba por causa do pai e disse que nunca pensou em ter uma composição cantada na Sapucaí. "Amo tudo isso e estou mais feliz do que nunca. É uma emoção indescritível e só posso dizer que é uma coisa muito boa", comemorou. Para o diretor de Harmonia, Luiz Carlos Amâncio, o novo hino tem a cara da comunidade. "O samba é guerreiro e precisava ser uma obra à altura do nosso enredo, que tem tudo para nos dar um grande desfile."

Na quadra, o samba foi defendido pelo intérprete Wander Pires, que incendiou o público. Os versos do refrão "Vai tremer, o chão vai tremer / É nó na madeira, segura que eu quero ver / Coisa de pele batuk ancestral / Lá vem a sinfonia imperial" foram cantados a plenos pulmões pela torcida e prometem fazer sucesso no Sambódromo.

Fantasias de bateria e passistas já entregues

Com o samba definido, a agremiação do Morro da Formiga já está com os trabalhos bastante adiantados no barracão. Todas as fantasias da bateria e da ala de passistas já foram entregues. As das baianas já estão quase no fim da reprodução. "Em dezembro, acredito que todas as outras alas já estarão prontas. O planejamento é importante para quem quer fazer bonito. E nosso objetivo é esse, de quebrar a escrita de quem sobe do Acesso não fica no Especial. Temos que fazer o nosso trabalho e acreditar na nossa capacidade. Os jurados verão um grande desfile", afirmou o presidente Antônio Marcos Telles, Tê.

Par o carnavalesco Junior Pernambucano, que fará sua estreia no Grupo Especial, o enredo será o grande diferencial da escola. "O trabalho começou em maio e estamos adiantados. O Império da Tijuca tem afinidade com temas africanos e isso ajuda muito. Vamos mostrar toda a energia do toque do batuque", analisou.

Intitulado "Batuk", o enredo vai exaltar a força da cultura afro-brasileira a partir do ritmo dos tambores. Por não conseguir comportar um grande público em sua quadra, na comunidade da Formiga, a diretoria, mais uma vez, realizou a finalíssima na sede da Unidos da Tijuca, na Avenida Francisco Bicalho.


Confira a letra do samba campeão

Enredo: Batuk
Autores: Marcio André, Vaguinho, Rono maia, Alexandre Alegria, Karine Santos e Tatá

Vai tremer o chão vai tremer
É nó na madeira, segura que eu quero ver
Coisa de pele batuk ancestral
Lá vem a sinfonia imperial

Bateu mais forte o coração
Tocou, senti a vibração
Da África, ressoou
A batucada que se espalha nesse chão
Lua clareia na aldeia, celebração
É dom de comunicação
Em cada cultura entoa rituais
Cura em devoção, magia dos sinais
É festa é kizomba, no toque pra Zumbi
Firma o ponto na gira não deixa cair

Na ginga do corpo
Na batida do pé, axé, axé!
Eleva a alma, o canto e a dança
Unindo as raças na fé e na esperança

Ecoou
O som divino do folclore popular
Batam palmas o cortejo vai passar
É o "fervo" que desce a ladeira
O batuque levanta poeira... capoeira
Dita moda, faz inclusão
Recria uma nação, faz zoeira
Batuqueiro, arrasta multidões
Nos blocos e cordões
Do Jongo aos salões
Conquistou a nobreza, fez sua realeza
O primeiro Império da corte do samba
Meu Império celeiro de bambas