Briga pelo controle do Carnaval da Intendente Magalhães

Novas ligas, uma delas liderada pelo vice-presidente da Portela, Marcos Falcon, disputam repasse de recursos

Por O Dia

Palco de grandes desfiles do Carnaval, a Estrada Intendente Magalhães, no bairro de Campinho, atravessa uma disputa nunca antes vista em seus 26 anos de folia. Duas entidades — a Associação Cultural Samba é Nosso e a Liga Independente das Escolas de Samba da Série B (Liesb) — batalham pela representação das 48 escolas e a organização do evento do ano que vem. O imbróglio, que se arrasta desde fevereiro, só terá fim quando a Riotur decidir para quem entrega o Carnaval. E essa decisão ainda não tem data para acontecer.

Desfile na Intendente Magalhães reúne escolas dos grupos B%2C C%2C D e ECarlos Lúcio / Setor 1 / Divulgação

Nos bastidores, a briga para conquistar a organização dos desfiles segue a pleno vapor. De um lado, como líder da Samba é Nosso, está o vice-presidente da Portela, Marcos Falcon. Ele garante que somente sua associação está habilitada a falar sobre o Carnaval 2016. “Já temos toda documentação sobre a filiação dos grupos C, D e E e eu entreguei pessoalmente à Riotur”, afirmou Falcon, que criticou os integrantes da Liesb. “Até onde se tem notícia, essa entidade está sendo criada pelos mesmos elementos que afundaram a Aescerj (a Associação das Escolas de Samba do Rio, responsável pelos desfiles do ano passado) e isso é um desrespeito”, completou. Entre os diretores da Samba é Nosso, estão o carnavalesco Milton Cunha e o compositor Pretinho da Serrinha.

Do outro lado, a Liesb, criada em fevereiro e com 13 das 16 escolas do grupo B já filiadas, aposta na participação de integrantes de todas as agremiações em seu quadro de diretores. “Todas as escolas terão voz na Liga”, declarou Marcelo Gonçalves, vice-presidente jurídico da entidade. Na campanha, o principal objetivo da Liesb é a migração dos desfiles para o Sambódromo. “A Intendente é o purgatório do samba e a dificuldade estrutural é absurda. Queremos ir para um local com visibilidade, como a Sapucaí”, completou. Segundo à direção, a Liga também já foi registrada oficialmente na Riotur.

Últimas de Carnaval