Nelson Vasconcelos: Esmola grande, o santo desconfia

Promessa de um bônus de R$ 100 no Uber é a isca para que pilantras digitais capturem números de cartão de crédito dos mais inocentes

Por O Dia

Rio - Golpes, golpes, golpes. Parece que a gente gosta mesmo. O mais recente atinge usuários do Uber. Segundo a empresa Kaspersky Lab, a promessa de um bônus de R$ 100 é a isca para que pilantras digitais capturem números de cartão de crédito dos mais inocentes.

Para isso, usa-se a velha estratégia. Você recebe um e-mail prometendo o bônus a ser usado durante o Carnaval. Para participar da promoção maravilhosa, tem que clicar num link que vai direcionar o usuário para sites dos pilantras. Aí o inocente se cadastra informando número de cartão de crédito, telefone, essas coisas todas — e acaba ficando no prejuízo, porque o Uber não tem nada a ver com isso.

A Kaspersky alerta para dois sites (uberdesconto.com.br e o ubercupomonline.com.br), mas certamente há outros por aí, à espera de novas vítimas. Vale, portanto, aquele imortal ensinamento da vovó: quando a esmola é grande, o santo desconfia.

E por falar em Uber

A visível queda na qualidade dos serviços oferecidos pelo aplicativo e a pressão dos taxistas tradicionais estão detonando o Uber por aqui. E a Justiça, pelo jeito, deve manter o entendimento de que motoristas e a empresa têm vínculo empregatício. Se continuar assim, o Uber terá que subir sua comissão sobre as viagens.

Ou seja, situação tende a ficar ainda mais difícil. Se vier a faltar, tudo bem. Fez seu papel, que foi abrir a concorrência num setor problemático e dar um susto nos taxistas, fazendo-os melhorar seus serviços e tratar com os passageiros com mais gentileza. Com muitas exceções, claro.

O celular sem mimimi

Houve um tempo, crianças, em que os celulares eram bem mais simples de operar e, melhor de tudo, indestrutíveis. Resumiam-se a fazer e receber ligações, além de jogos bem rudimentares e viciantes. Um colosso.

Daí que um dos mais populares modelos de celular daquela época, o Nokia 3310, voltará a ser vendido muito em breve, depois de 17 anos fora do mercado. Tem a ver. Os smartphones de hoje são lindos, mas a galera mais veterana sente certa dificuldade para operá-los. Além disso, esses tijolinhos são bem mais baratos. Lá fora, vão custar 59 euros. Aguardemos.

Últimas de Economia