Mais de R$ 111 milhões à espera de trabalhadores

Cerca de 159 mil têm direito ao abono do PIS/Pasep de 2015 no Rio e não sacaram

Por O Dia

Rio - Mais de R$ 111 milhões estão parados no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal à espera de saque no Rio de Janeiro. O dinheiro é referente ao abono salarial do PIS/Pasep do ano-base 2015 de 159 mil beneficiados no estado. E o número dispara quando se leva em conta o que está parado em todo país: o montante passa de R$ 1 bilhão para aproximadamente 1,46 milhão de trabalhadores e servidores que têm direito ao abono. O prazo final é 28 de dezembro e não haverá nova prorrogação para retirada do valor, que varia de R$ 79 a R$ 937.

Ministro Ronaldo Nogueira%3A maior parte dos recursos do abono está concentrada na Região SudesteMarcelo Camargo / ABR

De acordo com informações do Ministério do Trabalho, pasta comandada por Ronaldo Nogueira, metade de todo esse dinheiro está no Sudeste, principalmente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. O chefe de divisão do Abono Salarial do ministério, Márcio Ubiratan, lembra que esse recurso é dos trabalhadores, e aconselha as pessoas a verificarem se têm direito ao saque do benefício.

"Nós disponibilizamos no site do Ministério do Trabalho a lista com os nomes de todos os trabalhadores com direito ao abono de 2015 e que ainda não sacaram o dinheiro. O trabalhador pode consultar essa lista. Se o nome dele estiver lá, basta dirigir-se ao banco e fazer o saque", orienta.

A consulta deve ser feita clicando em um banner na parte superior do portal do Ministério do Trabalho (www.trabalho.gov.br) ou diretamente no link https://trabalho.gov.br/abono-salarial/consulta-abono-salarial.

É necessário ter em mãos o número do PIS/Pasep ou do CPF e informar a data de nascimento. Também é possível descobrir sobre o benefício procurando as agências bancárias. Trabalhadores da iniciativa privada recebem na Caixa. Servidores públicos, no Banco do Brasil.

Quem pode retirar

Para ter direito ao abono é necessário haver trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2015 com remuneração média de até dois salários mínimos no período trabalhado. Além disso, o trabalhador tinha de estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O valor que cada trabalhador tem para receber é proporcional à quantidade de meses trabalhados formalmente no ano-base. O volume já retirado, contando todo o calendário de pagamento, chega a R$ 15,99 bilhões.

Saldo pode ser visto por aplicativo do ministério

O trabalhador também pode verificar se tem direito ao saque do abono salarial do PIS/Pasep - Ano Base 2015 na palma da mão. No fim de setembro, o Ministério do Trabalho lançou aplicativo para dispositivos móveis, como tablet e smartphone para o interessado conferir os valores.

Aplicativo do abono pode se baixado gratuitamente na PlaystoreDivulgação

Levantamento divulgado pela Coordenação do Abono Salarial da pasta revelou que mais de 1,46 milhão de trabalhadores e servidores ainda não sacaram os recursos disponíveis, que chegam a R$ 1,018 bilhão.

O prazo para a retirada, que terminaria inicialmente em 30 de junho, foi prorrogado e vai até 28 de dezembro deste ano. "Foi ampliado para beneficiar esses trabalhadores que estavam deixando o dinheiro para trás. É um recurso que pode ajudar muito no sustento de dessas famílias e, por isso, é importante não deixar para a última hora. E agora ainda existe a facilidade de fazer a consulta pelo aplicativo do ministério", salienta o ministro Ronaldo Nogueira.

Como baixar

Segundo a Coordenação do Abono Salarial do ministério, as bases de consultas do benefício foram atualizadas para facilitar ao cesso dos trabalhadores. O coordenador do Abono, Márcio Ubiratan, explica que o novo aplicativo pode ser baixado na Playstore.

Ubiratan lembra, também, que os endereços de consulta no portal do Ministério do Trabalho permanecem os mesmos. A consulta individual pode ser feita pelo link verificasd.mtb.gov.br/abono e o PDF com as informações por estados está disponível no link verificasd.mtb.gov.br/abonouf.

Últimas de Economia