Everton Ribeiro traça metas para a temporada e mira título da Libertadores

Craque do Brasileiro por dois anos seguidos, meia do Cruzeiro faz planos para 2015: mais títulos e vaga cativa na Seleção

Por O Dia

Everton Ribeiro vem brilhando com a camisa do Cruzeiro%3A o céu é o limiteAnderson Gores / Parceiro / Agência O Dia

Rio - Ser craque do Campeonato Brasileiro por dois anos seguidos não é para qualquer um. Ainda mais se a premiação vier acompanhada pelo bicampeonato nacional e da primeira convocação para a seleção principal. Por tudo isso, o ano de 2014 ficará marcado na promissora carreira do apoiador Everton Ribeiro, maior destaque do Cruzeiro. Aos 25 anos, ele quer aumentar sua galeria pessoal de títulos com a conquista do Tri do Brasileiro, da Libertadores e de uma vaga cativa na Seleção do técnico Dunga. Talento não lhe falta, muito menos inspiração e guru. Pupilo de Marcelo Oliveira, com quem trabalha há quatro anos, o futebol vistoso do meia tem a mão do treinador, que soube lapidar a joia rara. Sorte do clube mineiro, que conta com a dupla para voltar a brilhar em 2015.

O DIA: Você vem de dois anos mágicos. Foi bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro, em 2014, craque do campeonato por duas vezes seguidas e ainda chegou à seleção brasileira. O céu é o limite em 2015?

Everton Ribeiro: Espero que 2015 seja um ano ainda melhor, ganhando títulos como a Libertadores da América e o tricampeonato brasileiro. Quero fazer um grande ano para estar na Seleção.

Esta fase de grandes conquistas não te envaideceu? O sucesso não te subiu à cabeça?

Meus pais sempre me pediram para manter os pés no chão, para não mudar e ser a mesma pessoa de sempre. Tento seguir os conselhos deles, que me criaram e me ensinaram a ser um homem bom. Tenho uma família que sempre me apoiou muito e me apontou a direção certa, isso me ajudou demais.

Como foi o seu contato com o técnico Dunga?

Eu me senti muito à vontade com o Dunga. Ele deixa o jogador muito tranquilo na hora do treino e do jogo. O jeito dele com a imprensa parece ser durão, mas ele é um cara do bem que sabe treinar muito bem e pede intensidade. Foi muito bom ter jogado na Seleção. É uma nova equipe que esta se formando e isso fortalece ainda mais quem está chegando.

Everton Ribeiro em ação pela seleção brasileira%3A meia está em alta com DungaDivulgação

Você não pensa em jogar no exterior?

É o sonho de todo o jogador, só que o mais importante é fazer bem o meu trabalho para quando eu tiver oportunidade ser bem aproveitado.

Qual é a importância do técnico Marcelo Oliveira na sua carreira?

O Marcelo é um grande treinador, que a cada ano melhora mais a forma de treinar a equipe. Para mim foi especial, pois são quatro anos juntos. Ele sempre me deu toques, me ajudou a me movimentar melhor, me ensinou várias coisas. O Marcelo tem grande parcela no sucesso da minha carreira. Espero continuar esta parceria que tem dado certo.

Dizem em Minas que o Marcelo Oliveira é seu "pai". Vocês realmente são muito próximos?

Trabalhei com Marcelo no Coritiba e depois ele me indicou para o Cruzeiro. Sou próximo dele e de sua família. A filha do Marcelo e o genro, Eduardo (atacante do Bragantino), são um dos melhores amigos que fiz no futebol. Conheci o Eduardo muito antes do Marcelo, na época em que ainda jogava no São Caetano.

Foi o genro do Marcelo que te indicou para jogar no Coritiba?

Foi. Até hoje a gente brinca com isso. Na época, ele estava no São Caetano fazendo uma grande temporada e marcando muitos gols, mas as principais assistências eram minhas. Uma vez nos encontramos com o Marcelo em um restaurante e ele falou do meu futebol. O Marcelo se interessou e no ano seguinte me chamou para o Coritiba. O Eduardo tem um olho bom.

Você realmente começou a carreira como lateral-esquerdo?

Na verdade, nunca fui lateral-esquerdo. Minha origem sempre foi meia, desde os 4 anos de idade. Mas precisavam de um ala-esquerdo nos juniores e acabei subindo assim para o profissional. Acabou sendo bom, mas depois voltei para a minha posição. Aprendi na vida que tudo tem o seu tempo.

Com a Seleção%2C Everton Ribeiro foi campeão do Superclássico das AméricasDivulgação

Mesmo sendo uma das promessas da base do Corinthians você não teve muitas chances no time principal. O que aconteceu?

Tudo tem o seu momento e alguns são mais difíceis. Naquela época, o momento do Corinthians também não era bom. Eu, que era jovem, acabei tendo poucas oportunidades. Mas segui a minha vida e peguei uma experiência muito grande lá. Foi bom ter passado por dificuldades para eu poder crescer.

O Campeonato Mineiro vai reunir o melhor jogador do futebol brasileiro de 2014 e o melhor da argentina, o Lucas Pratto, do Atlético-MG. Quem vai ganhar este duelo?

Como estou no Brasil, espero que eu possa prevalecer neste duelo. É um clássico difícil e este ano a gente vem com novos jogadores e uma nova forma de jogar. Mas vamos buscar o bi no Mineiro e o tri do Brasileiro.

Quem é a sua maior inspiração no futebol?

Quando eu era bem jovem dizia nas brincadeiras que era o Romário e o Ronaldo. Mas na minha posição sempre gostei do Alex, um craque que sempre fez gols e tem uma grande visão de jogo. Ele é o cara que tento seguir.

Você sempre faz belos gols. Considera-se um artista da bola?

Sempre gostei de jogar bola, de driblar e, com o tempo, fui aprimorando. Mas artista, não. Eu me considero um jogador que corre sempre atrás dos objetivos para fazer uma história bonita do futebol. Nos momentos que o Cruzeiro precisa venho fazendo gols, felizmente gols bonitos, que dão uma beleza a mais no futebol.

O que faz para relaxar do estressante mundo do futebol?

Gosto do kart. Sempre andei muito em São Paulo e em Curitiba. Corria e ganhava sempre. Era uma forma de me distrair com os amigos. Mas em "Beagá" ainda não andei. É uma forma de sair do mundo do futebol. Também pesco para relaxar. Aqui tem o Dedé, o Bruno Rodrigo e o Leandro Damião que gostam. Às vezes, tem uma mentirinha sobre o tamanho do peixe, senão a pescaria não tem graça, mas a foto não deixa a gente enganar muito não.

Últimas de Esporte