Brasil suporta a pressão do Canadá e fatura a medalha de ouro no basquete

Com um jogo coletivo, Seleção impressiona pela performance e conquista o título de forma invicta em Toronto

Por O Dia

Canadá - Uma exibição de gala para coroar uma campanha irretocável. O Brasil é medalha de ouro no Pan de Toronto. O resultado vai além do pódio. O título é marcado por uma performance impecável e invicta, com um jogo coletivo de chamar atenção, uma defesa intensa, um ataque solidário. Isso do primeiro ao último jogo. A vitória sobre o Canadá, neste sábado, por 86 a 71, foi o capítulo final de um torneio para ficar na memória. O Brasil volta a subir no lugar mais alto do pódio no Pan - o último ouro foi no Rio, em 2007.

Olivinha foi fundamental no último quarto e ajudou o Brasil a conquistar o ouro no PanWilliam Lucas / Inovafoto / Divulgação

Não existe um herói no título brasileiro, algo justo para o jogo coletivo do Brasil. Ora Benite, ora Hettsheimeir, ora Augusto Lima, ora Larry. A força foi o grupo. E um elenco que comprou a ideia de Rubén Magnano, em um dos melhores trabalhos do argentino à frente da Seleção.

Na final, Augusto Lima, Larry Taylor e Rafael Hettsheimeir foram os cestinhas brasileiros, todos com 13 pontos. Olivinha marcou dez, um a mais do que Benite. O cestinha do jogo foi Bennett, autor de 18 pontos.

O jogo

A Seleção começou o duelo com dificuldade para superar a marcação canadense, mas conseguiu se acertar ofensivamente e assumiu o comando do placar após seis minutos de jogo. Com Hettsheimeir inspirado, o Brasil colocou 12 pontos de frente (23 a 11). O Canadá parou a partida, mas o pivô do Bauru estava com as mãos calibradas - ele fez 11 pontos na parcial. A Seleção venceu o quarto por 26 a 13.

O Brasil conseguiu manter a mesma consistência no segundo quarto, com uma defesa intensa e um ataque equilibrado, trabalhando a bola e variando as ações. A vantagem chegou a pular para 19 pontos. Quando o Canadá esboçava uma reação, o jogo coletivo brasileiro logo surtia efeito de novo. Desta forma, a Seleção foi para o intervalo com 19 pontos de frente: 48 a 29.

Para se ter uma ideia do jogo coletivo do Brasil, apenas Marcus Toledo não pontuou no primeiro tempo. Hettsheimeir liderou o ataque com 13 pontos. Rafael Mineiro marcou sete, dois a mais do que Benite e Augusto Lima.

A Seleção continuou soberana em quadra. Uma ponte aérea entre Rafa Luz e Augusto Lima, que completou de costas, deu o tom da exibição brasileira naquele momento. A vantagem logo pulou para 25 pontos. O Canadá ensaiou uma reação e cortou a diferença para 21. Magnano parou o jogo. Larry virou o desafogo no ataque, com infiltrações. Os donos da casa, porém, pressionaram e foram para o último quarto perdendo por 13 pontos (67 a 54).

O Canadá começou o último quarto com tudo e fez uma corrida de 8 a 2, diminuindo a diferença para sete pontos e forçando Magnano a parar o jogo. Augusto Lima se desdobrava no ataque e na defesa. Uma bola de três de Olivinha fez a vantagem pular para 11 pontos. Benite, com cinco faltas, saiu eliminado. Olivinha foi fundamental no ataque, com uma bola de três e uma infiltração. A Seleção conseguia frear o ímpeto canadense e mantinha a vantagem acima dos dez pontos. Com propriedade, o Brasil silenciou o ginásio e garantiu a medalha de ouro.

Últimas de Esporte