Jogador demitido por agredir colega de time diz ter sido alvo de racismo

Guaraci foi expulso depois de dar um tapa em companheiro, mas alega ter sido chamado de 'sujo' como justificativa para a atitude durante o jogo

Por O Dia

Goiás - Na última quarta-feira, um lance insólito marcou a quarta rodada do Campeonato Goiano. Na derrota para o Atlético Goianiense por 1 a 0, o meia Guaraci, do Crac, foi expulso por agredir seu colega de time Jorginho com um tapa na altura do pescoço. Após receber o cartão vermelho, ele ainda deixou o gramado fazendo gestos obscenos para o árbitro.

Jogador do Crac afirmou ter sido vítima de racismo Reprodução Internet

Imediatamente, a diretoria do Crac decidiu demitir o jogador, que se explicou nesta sexta-feira e alegou ter sido alvo de racismo do colega. "Em uma bola disputada, na frente da área, eu não ganhei. O Jorginho, lateral-direito, chegou conversando comigo com atos raciais. Isso não pode acontecer de forma alguma Me chamou de 'preto', 'sujo', essas duas coisas foram o que eu ouvi. O resto não ouvi muito bem", declarou à TV Anhanguera.

O próprio Jorginho também falou sobre o ocorrido e negou as acusações. "A única coisa demais que eu chamei ele foi de 'mole' Nunca fui racista, odeio racistas e espero que ele não tenha entendido isso como racismo meu".

Mesmo diante das acusações de Guaraci, a diretoria do Crac manteve-se firme na decisão de demiti-lo. "O que o Guaraci fez foi uma atitude que não pode ser levada para dentro de campo", justificou o presidente do clube, Roberto Silva.

O Crac não vive um bom início de Campeonato Goiano e somou apenas três pontos nas primeiras quatro rodadas do torneio. Atualmente, ocupa a penúltima colocação do Grupo A, na briga contra o rebaixamento.

Últimas de Esporte