Torcedoras se revoltam com o Galo após condenação de Robinho: 'É uma violência'

Jogador teria abusado de jovem quando jogava pelo Milan

Por O Dia

Belo Horizonte - O atacante Robinho, hoje no Atlético-MG, foi condenado por um escândalo acontecido em 2013, na Itália, quando ainda defendia as cores do Milan. Segundo a denúncia de uma jovem, o jogador teria abusado sexualmente da mesma, junto com outros homens, após um jantar. Diante disso, um grupo de torcedoras foi até a sede do Galo para cobrar uma postura do clube mineiro.

A justiça italiana permite vários níveis de recursos, e o processo ainda ganhará novos capítulos. A defesa de Robinho se mantém otimista com a comprovação de sua inocência e o Atlético-MG, por sua vez, declarou que não vai se pronunciar sobre o caso por se tratar de um assunto de cunho pessoal do atleta.

Torcedoras protestaram contra RobinhoReprodução Twitter

No entanto, a postura do Galo não agradou algumas torcedoras, que levaram duas faixas de protesto e as colocaram em frente à sede administrativa do clube mineiro.

"Um condenado por estupro jogando no Galo é uma violência contra todas as mulheres!", dizia a primeira faixa, assinada por um grupo denominado 'Feministas do Galo'.

"Galo, seu silêncio é violento! Não aceitaremos estupradores!", dizia a segunda faixa, assinada pelo mesmo grupo.

Jogador se defende

Pouco depois da divulgação da condenação, no fim do mês de novembro, o atacante negou ter cometido este crime por meio de um comunicado, no qual foi defendido por sua advogada e representante, Marisa Alija. "Sobre a notícia envolvendo o atacante Robinho, em um fato ocorrido há alguns anos, esclarecemos que ele já se defendeu das acusações, afirmando não ter qualquer participação no episódio. Todas as providências legais já estão sendo tomadas acerca desta decisão em primeira instância", afirmou.

Últimas de Esporte