No embalo de Rafael Marques, Botafogo encara o Atlético-PR

Atacante lembra primeiro gol como profissional, justamente sobre o Furacão

Por O Dia

Rio - Quando ficar frente a frente com os jogadores do Atlético-PR, neste domingo, às 18h30, no Durival de Britto, Rafael Marques verá, em segundos, um curto filme resumindo sua carreira. O artilheiro do Botafogo marcou seu primeiro gol no futebol profissional há dez anos, justamente sobre o Rubro-Negro do Paraná, pela Ponte Preta. A lembrança remete também ao início na Ferroviária, de Araraquara, sua cidade natal, e ao período de andarilho nos times do interior paulista até deslanchar e se transferir para a Turquia.

Rafael Marques está em alta no BotafogoMárcio Mercante / Agência O Dia

“Falar da minha infância e não falar de futebol é difícil. Tinha um campinho na frente da minha casa. Quando acompanhava meu pai, queria entrar no jogo dele também. Comecei no salão e depois no campo da Ferroviária e, aos 15 anos, tive que escolher . É lógico que decidi pelo campo. Era um clube tradicional, mas não tinha muita estrutura para base, então sofri um pouco”, lembrou o atacante em conversa com O DIA.

Depois de rápidas passagens pelo próprio Atlético-PR, Rio Claro, Portuguesa, e outros times do interior, sem disputar nenhum campeonato, Rafael se destacou pelo Campinas e foi parar na Ponte Preta. Diferentemente da chegada ao Botafogo, ele mostrou seu faro de gol logo na estreia. Quando ainda estava no júnior, foi chamado às pressas para se juntar ao elenco que enfrentaria o Atlético-PR, pelo Brasileirão, no Moisés Lucarelli. A Macaca estava perdendo por 1 a 0 e Abel Braga, treinador na época, olhou para o banco.

“Ele me disse: ‘garoto, entra lá e faz o seu’”, contou Rafael Marques, que em menos de 15 minutos em campo, marcou o gol que garantiu o empate.

Dali para frente, a carreira deslanchou. Cinco anos na Turquia e outros três no Japão, não fizeram o atacante esquecer a raiz caipira e os ensinamentos dos pais Rogério e Rosilaine Aparecida. Todos os obstáculos foram vencidos com o apoio da mulher, Carla, com quem está junto desde os 15 anos. Do relacionamento nasceu Natália, o tesouro da família. A paixão pela pescaria continua viva, mas, pelo Botafogo, tem sido mais comum vê-lo colocar bola e não peixe na rede.

Trajetória 'parecida' com a de Sheik orgulha Rafael Marques

Assim como Emerson Sheik, atualmente no Corinthians, Rafael Marques deixou o futebol brasileiro muito jovem e quando retornou ao país, já mais experiente, era praticamente um desconhecido. A comparação com o jogador corintiano enche o camisa 20 alvinegro de orgulho, mas ele garante que não tinha como objetivo na carreira retornar ao Brasil para ser reconhecido por aqui.

Repeteco? Rafael Marques começou a fazer gol na carreira sobre o FuracãoMárcio Mercante / Agência O Dia

“Espero que eu possa ganhar os títulos que ele ganhou. Sinceramente, não tinha esse objetivo. Queria ter oportunidade de jogar fora do país. Só comecei a pensar em voltar entre 2010 e 2011, quando teve o Tsunami em Saitama (Japão), cidade do meu time. Mas o medo mesmo era com a radiação. Eu também não queria voltar por voltar. Queria voltar para um time que tivesse condições de brigar por títulos”, disse o atacante.

Se Sheik fez o gol do título Brasileiro do Fluminense em 2010 e os da conquista da Libertadores pelo Corinthians em 2012, Rafael começou bem, marcando o que garantiu o Carioca deste ano ao Botafogo e segue marcando gols.