Mayra Aguiar, do judô

Medalha de bronze em Londres 2008, atleta busca superação

Por O Dia

Mayra Aguiar%2C do judôAgência Petrobras

Balé, ginástica olímpica, natação e atletismo também fizeram parte da rotina de Mayra Aguiar na infância. Mas a gaúcha se apaixonou mesmo pelo judô e não se arrependeu da escolha: hoje, aos 24 anos, ela é uma referência nos tatames e uma grande esperança de conquista da medalha de ouro nos Jogos do Rio.

Consagrada como campeã mundial em 2014 (categoria -78kg), Mayra sabe bem o que representa para as novas gerações de judocas e segue a lição que aprendeu com as veteranas quando era apenas uma novata na seleção brasileira. "Nós carregamos o nome do Brasil, dentro e fora do tatame. Sou espelho para muitas gurias. Aprendi isso com a Dani (Danielle Zangrando), com a Vânia Ishii e com a Edinanci. Tenho que me portar como diferenciada. Como eu me espelhava nas mais velhas, hoje as mais novas se espelham em mim. Então, procuro passar isso adiante. É um ciclo. Hoje sou eu, amanhã será outra”, destaca.

Mayra deixou o balé apenas como uma recordação de infância e entrou na Sogipa, em Porto Alegre, aos 11 anos. Com apenas 15 anos, ela já disputava o Pan-Americano do Rio (2007), quando foi medalha de prata. No ano seguinte, a judoca já estava em sua primeira Olimpíada, em Pequim (2008), perdendo na primeira luta. Mas, quatro anos depois, disputaria os Jogos mais uma vez e sairia de Londres com um bronze, ao vencer a holandesa Marhinde Verkerke.

A coroação como um dos principais nomes do judô veio com o primeiro lugar no Mundial de Chelyabinsk, na Rússia, em 2014. Na final, ela aplicou um wazari com 1min40s de luta contra a francesa Audrey Tcheumeo e depois controlou a vantagem até o cronômetro zerar. Ao todo, ela ostenta quatro medalhas em Mundiais, tendo ainda uma prata na edição de Tóquio (2010) e dois bronzes conquistados em Paris (2011) e no Rio (2013).