Rafael Baby, do judô

Peso-pesado com apelido de criança é gigante no tatame

Por O Dia

Rafael BabyAgência O Dia

O porte intimidador contrasta com o apelido, Baby, que ele ganhou ao chegar em São Paulo ainda bem novinho e com jeito introspectivo. Hoje, aos 29 anos, o gigante Rafael Silva, de 2,03m e 160kg, já tem uma medalha olímpica no currículo, o bronze conquistado em Londres (2012) no peso-pesado. O feito foi histórico, já que esse foi o primeiro pódio do Brasil nessa categoria em Olimpíadas.

Mas Baby quer mais e já avisou que, nos Jogos do Rio, quer outra medalha. O ouro está na sua mente e, para isso, ele terá que acabar com o reinado do francês Teddy Riner, heptacampeão mundial e campeão olímpico no peso-pesado. Concorrer com um mito da modalidade serve de motivação para o brasileiro evoluir nos tatames.

Nascido em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Baby foi criado em Rolândia, no Paraná. Ele começou a fazer aulas de karatê aos cinco anos. O judô entrou na sua vida somente aos 15 anos, mas foi essa modalidade que o tornou um grande campeão. A identificação se deu não apenas pelo lado competitivo, mas também pela filosofia e pelos valores ensinados no esporte. Aos 17 anos, mudou-se para São Paulo, onde ingressou no Projeto Futuro.

Ele também ostenta duas medalhas em Mundiais, a prata conquistada na edição de 2013, no Rio, e o bronze em Chelyabinsk, na Rússia, em 2014. Em julho de 2015, Baby passou por uma cirurgia, após sofrer uma lesão no músculo peitoral superior direito durante um treinamento. Mas se recuperou e garantiu uma vaga na equipe olímpica de judô.