Bola parada é a principal arma do Vasco

Adílson aposta na jogada para surpreender a Ponte Preta, rival nos próximos três jogos

Por O Dia

Rio - O empate frustrante em casa para o América-RN ficou para trás e o Vasco já se prepara para a maratona de jogos contra a Ponte Preta. Em uma semana, o Gigante irá enfrentar a Macaca três vezes em jogos pela Copa do Brasil e pela Série B. Se o desafio na Colina é surpreender um rival que ficará íntimo, o time do técnico Adilson Batista vê nas bolas paradas a chance ideal para ter sucesso em campo. Melhor para Douglas, que, dos cinco gols que marcou, dois foram de falta e três de pênalti.

Serão dois jogos no Estádio Moisés Lucarelli (quarta-feira e sábado), em Campinas, e outro em São Januário (dia 30). O primeiro e o último duelo valem vaga para as oitavas de final da Copa do Brasil, competição vista com importância pelos vascaínos, que têm o desejo de subir para a Primeira Divisão já com a vaga para a Libertadores garantida.

Douglas (D) fez belo gol de falta contra o América-RNDivulgação

Nas duas partidas que disputou após a Copa do Mundo, o Gigante marcou gols em lances de bola parada. Para Douglas, a jogada pode surpreender o adversário durante a maratona.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

“A bola parada é uma das principais armas do futebol moderno e é um ótimo recurso quando os times se conhecem bem. Vamos enfrentar a Ponte Preta três vezes e será difícil surpreender o adversário. Por isso, temos uma alternativa. Além de bons cobradores, a gente conta com bons cabeceadores”, disse o camisa 10, que alertou seus companheiros:

“É hora de se desligar um pouco da Série B e ter em mente o objetivo de marcamos gols na casa do adversário, pois isso é importante na Copa do Brasil.”

Se o assunto é bola parada, Douglas é um dos peritos do time na jogada. Pelo Vasco, ele marcou gols de falta contra o Atlético-GO e América-RN, este no último sábado. E converteu pênaltis diante do Madureira, Flamengo e Resende.

“Curiosamente os meus cinco gols foram marcados com a bola parada. Mas isso tem acontecido porque a bola ainda não sobrou para mim. O importante é ela no fundo do gol. Seja em cobranças de falta, escanteio ou uma jogada trabalhada”, completou.

Novo fôlego para sequência

O grupo do Vasco se reapresentou nesta segunda-feira após o empate por 1 a 1 contra o América-RN, sábado, na primeira partida de São Januário com portões abertos na Série B. Enquanto os reservas participaram de um treino tático contra a equipe de juniores, os titulares fizeram trabalhos físicos regenerativos tanto na sala de musculação quanto no gramado para o jogo com a Ponte Preta.

Em transição da fisioterapia para a preparação física, atletas como os atacantes Rafael Silva e Guilherme Biteco e o lateral-esquerdo Henrique voltaram a aparecer em campo, mas, longe dos 100%, treinaram à parte.