Ibovespa sobe 1% impulsionado por bancos e Petrobras

Ação da estatal avança 3% com expectativa de que Senado discuta o fim da obrigação da petroleira de deter ao menos 30% nos campos do pré-sal

Por O Dia

O tom positivo prevaleceu na Bovespa nesta terça-feira, com a recuperação de Wall Street ajudando a quebrar uma série de três sessões de perdas, na véspera do vencimento dos contratos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro.

O principal índice da Bovespa subiu 1,06%, aos 53.702 pontos, ajudado principalmente pelo avanço das ações de bancos e da Petrobras.

Wall Street fechou no azul, com o noticiário de fusões e aquisições amparando ganhos em papéis de consumo e saúde e ofuscando temores sobre a Grécia, antes do término da reunião do Federal Reserve na quarta-feira.

De acordo com profissionais do mercado, a sessão também foi influenciada por operações atreladas ao vencimento das opções de índice, as rolagens dos contratos reduzindo a liquidez no pregão e corroborando a alta, em meio ao quadro externo mais positivo.

Destaques

Itaú Unibanco saltou 3,54%. Em nota a clientes logo cedo, o Credit Suisse mencionou a forte reação da ação no pregão na véspera, avaliando que o movimento pode estar relacionado à retomada de recompra de ações pelo banco. "Se realmente a recompra estiver ativa, o sinal nos parece bastante interessante e pode indicar um piso importante de curto prazo para o papel", escreveu o Credit Suisse.

Banco do Brasil foi destaque positivo, com ganho de 3,34%, após o jornal o Estado de S.Paulo publicar que o governo pode ter que pagar R$ 24,5 bilhões para a instituição e para o BNDES referente a crédito agrícola.

Petrobras  fechou com ganhos ao redor de 3%, impulsionada após informação de que o Senado discutirá no dia 30 proposta do fim da obrigação para a estatal deter pelo menos 30% nos campos do pré-sal. A notícia prevaleceu sobre o declínio dos preços do petróleo e perspectiva de que a companhia deve atrasar os detalhes dos grandes cortes de investimentos previstos para o seu Plano de Negócios e Gestão 2015-19 até julho.


Últimas de _legado_Notícia