Projeto de gestão da água repara estragos em Minas

Premiada pela ONU, tecnologia social do Cultivando Água Boa, criado pela Itaipu Binacional, será usada para recuperar Bacia do Rio Doce, atingida por barragem

Por O Dia

Minas Gerais - Premiado em 2015 como o melhor programa de gestão da água no mundo pela Organização das nações Unidas, o Cultivando Água Boa (CAB), da Itaipu Binacional, será aplicado na recuperação da Bacia do Rio Doce, na região de Mariana (MG), afetada pelo rompimento da barragem da Samarco.
A medida foi publicada no Diário Oficial de Minas Gerais, de 15 de janeiro, e prevê recuperação da bacia do Rio Doce e de seus afluentes, ampliação das áreas de vegetação nativa e de áreas degradadas. O governo da Costa Rica também está interessado em aplicar o CAB.

Os recursos sairão de um Fundo de Recuperação das Bacias Hidrográficas do Estado de Minas Gerais. O investimento é da ordem de R$ 6,5 milhões. A medida é um desdobramento de um acordo de cooperação técnica assinado entre o governo de Minas e a Itaipu para implantar o CAB no estado, firmado em março de 2015.

Os recursos sairão de um Fundo de Recuperação das Bacias Hidrográficas do Estado de Minas GeraisAntônio Cruz/Agência Brasil

O anúncio foi feito na abertura da 13ª edição do encontro Cultivando Água Boa, em Foz do Iguaçu, pelo presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu. “Não temos melhor tecnologia social para a recuperação do Rio Doce do que a do CAB”, afirmou Andreu.

O anúncio foi recebido com festa. “É um dia de celebração. Há quase um ano recebíamos o prêmio da ONU-Água e, graças às parcerias e <CW4>ao apoio que celebramos aqui na região, temos esta conquista, compartilhada com vocês e sendo levada para outros lugares”, disse Jorge Samek, diretor-geral brasileiro de Itaipu.

O encontro em Foz do Iguaçu foi marcado pela expansão do programa de Itaipu na Bacia do Paraná 3, com a assinatura de novos convênios e a replicação do CAB em outras regiões do país e do mundo. O pedido de parceria com a Costa Rica foi solicitado em carta assinada pela ministra de Planejamento Olga Marta Sanchéz Oviedo.

Durante o evento, foram assinados 11 convênios – dez para recuperação de microbacias e outro para reforma do barracão de Santa Terezinha de Itaipu. O investimento é de R$ 16 milhões e a contrapartida de Itaipu é de 50%.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência