Após atentados, Israel 'congela' entrada de mais de 80 mil palestinos no Ramadã

Atiradores mataram quatro e feriram seis com armas automáticas em um shopping de Tel Aviv nesta terça-feira

Por O Dia

Tel Aviv - Israel "congelou" nesta quinta-feira mais de 80 mil permissões especiais que tinha concedido aos palestinos da Cisjordânia e de Gaza para que passassem por seu território por causa do mês sagrado do Ramadã, após o ataque de ontem em Tel Aviv.

A medida foi anunciada pelo coordenador das atividades do governo israelense nos territórios ocupados, o general Yoav Mordejai, em resposta às ordens emitidas pelo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, e pelo titular da Defesa, Avigdor Lieberman, informou nesta quinta-feira a imprensa local.

Atiradores mataram quatro e feriram seis em um shopping de Tel Aviv nesta terça-feiraEFE

Netanyahu e Lieberman se reuniram durante a madrugada com comandantes do alto escalão na sede do Ministério da Defesa, em frente ao local do ataque no qual morreram quatro pessoas, para avaliar a situação antes da reunião desta quinta do gabinete de ministros para assuntos de segurança.

O congelamento de permissões especiais de entrada a Israel é uma medida cautelar até a decisão final do gabinete. Entre as permissões "congeladas", 204 tinham sido expedidas a familiares dos dois autores do atentado, que nesta terça-feira à noite mataram quatro pessoas e feriram seis quando abriram fogo com armas automáticas em um popular centro de lazer de Tel Aviv.

Israel tinha concedido as permissões por causa do Ramadã, para permitir o deslocamento mais ágil de palestinos durante a celebração islâmica e para que familiares de Cisjordânia e Gaza pudessem festejá-la juntos.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência