Bruxas preparam praga para derrubar Trump

'Trabalho' movimenta redes sociais no mundo todo e prevê ‘ataques’ em larga escala até maio. Mais cedo, presidente promete erguer logo o muro do México

Por O Dia

Estados Unidos - Tem gente apelando para ‘forças ocultas’ a fim de derrubar Donald Trump — ou qualquer coisa que o tire da Casa Branca. Desde quinta-feira pipocam nas redes sociais convocações para ‘trabalhos’ e ‘feitiços’. O mutirão esotérico deverá ser feito até que Trump caia. Uma das organizadoras é a cantora Lana del Rey. Mas o magnata parece não se importar muito.

Nesta sexta-feira, mandou barrar na Casa Branca jornalistas de quatro veículos “mentirosos” e, a políticos conservadores, prometeu pressa na obra do muro do México. A bruxaria tem data para acontecer: à meia-noite de sexta e dos dias 26 de março, 24 de abril e 23 de maio, bem no meio da Lua Minguante.

Para os interessados, é necessário juntar uma foto estranha de Trump, a carta da Torre do jogo de tarô, a ponta de uma vela laranja, um prego, uma vela branca, tigelas com água e sal, uma pena, isqueiros e um cinzeiro.

Em discurso na Conferência Anual de Ação Política Conservadora%2C Trump desancou a ‘mídia mentirosa’Efe

É preciso escrever o nome do presidente americano na vela laranja com o prego, colocar os outros objetos alinhados em um círculo e apoiar a carta do tarô para que ela permaneça em pé durante o ritual. Após tudo pronto, é necessário fazer uma espécie de oração pedindo proteção para a sua divindade preferida para que o feitiço aconteça.

E Trump amarga números negativos. Mais da metade dos americanos desaprova sua gestão, segundo pesquisa divulgada ontem pela NBC News. De acordo com o levantamento, 54% dos entrevistados estão “muito em desacordo” ou “em desacordo” com o mandato, frente a 43% que estão “muito de acordo” ou “de acordo”.

Além disso, 56% rejeitam a proposta de Trump de construir um muro na fronteira com o México, frente a 41% que apoiam a medida, enquanto 58% acreditam que os imigrantes ajudam mais do que prejudicam o país, frente a 37% que têm a opinião contrária.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência