Escassez de moeda faz venezuelanos pagarem taxa para conseguir dinheiro físico

Com valor autorizado para saque limitado, trabalhador não consegue comprar pacote de fraldas

Por O Dia

Caracas - Em uma loja em Caracas, um homem oferece dinheiro físico em troca de uma comissão — 10% do montante que entregará em notas de bolívares, repassados por uma transferência eletrônica, processo conhecido como "antecipação de caixa". A escassez de notas voltou a afligir os venezuelanos.

Assim como o desconfiado negociante em seu pequeno posto de bugigangas, dezenas de comerciantes informais ofereceram as antecipações com cartão de débito, ou crédito, por causa das restrições para sacar nos caixas eletrônicos, ou na boca do caixa.

Principal avenida em Caracas%2C pouco antes de ser invadida por manifestantes contrários ao governo MaduroAFP

Johnny González, mensageiro de 27 anos, precisa fazer essa transação para comprar semanalmente fraldas para sua filha com os revendedores. Em geral, eles aceitam apenas dinheiro.

Cada pacote custa 50 mil bolívares (18 dólares na taxa oficial, ou 3, na do mercado negro), mas diariamente é permitido sacar apenas 10 mil no caixa, ou 30 mil no banco. "Não dá para nada, e tenho que fazer antecipações de caixa. Tomam entre 15% e 17%", disse o venezuelano.

Sem contrato fixo, González ganha cerca de 150 mil bolívares ao mês, que são devorados pela inflação mais alta do mundo. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), neste ano, ela vai chegar a 720% e, em 2018, a 2.000%. 

Proibições

Além da inflação, a falta de moeda acontece por um desequilíbrio entre o dinheiro circulante e a liquidez monetária, indicou o diretor da consultoria Econométrica, Henkel García.

"O Banco Central da Venezuela (BCV) está emitindo dinheiro a um ritmo menor do que o da inflação e da oferta de moeda, que cresceu em um ritmo muito mais acelerado do que a economia real", comentou o especialista.

De acordo com o BCV, as moedas e notas representam 7,5% da liquidez monetária (39,5 bilhões de bolívares), quando, segundo García, é normal que essa relação seja de 10% a 12%.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência