Delúbio Soares começa a trabalhar em Brasília

Ex-tesoureiro do PT foi condenado no mensalão. Ele receberá salário de R$ 4,5 mil como assessor da direção nacional

Por O Dia

Delúbio Soares foi condenado no processo do MensalãoDivulgação

São Paulo - Delúbio Soares saiu da prisão pela primeira vez desde que se entregou à Polícia Federal há pouco mais de dois meses, informou na manhã desta segunda-feira o site do jornal "O Estado de S. Paulo". De acordo com a publicação, o ex-tesoureiro do PT chegou ao escritório da Central Única dos Trabalhadores, em Brasília, onde vai atuar como assessor da direção nacional da entidade, por volta de oito horas da manhã.

Delúbio está preso na Penitenciária da Papuda, no Distrito Federal. Com salário de 4,5 mil, o horário de expediente dele será das 9h às 18h. Após o serviço, ele deverá retornar ao presídio.

Por ter sido condenado a cumprir pena abaixo de oito anos, Delúbio tem direito a deixar o presídio durante o dia para trabalhar. De acordo com a Lei de Execução Penal, condenados em regime semiaberto podem trabalhar dentro do presídio, em oficinas de marcenaria e serigrafia, por exemplo, ou externamente, em uma empresa que contrate detentos.

Na decisão que autorizou o trabalho externo, o juiz Bruno André que relatou que os condenados no processo do mensalão não estão cumprindo regime fechado. A afirmação tem sido feita por pessoas ligadas aos condenados. “Inicialmente, registro que o sentenciado, diversamente do que se tem equivocadamente propalado, não se encontra em situação de regime fechado, mas sim recolhido em estabelecimento prisional adequado, destinado a condenados em regime semiaberto ainda sem benefícios externos autorizados pela Justiça, ou seja, tudo perfeitamente condizente com a sua situação processual”, diz o juiz.

Condenado a seis anos e oito meses de prisão, além de uma multa de R$ 466,8 mil, Delúbio poderá trabalhar durante o dia, de segunda a sexta-feira. A permissão de trabalho foi concedida na última quinta-feira, 16, pelo juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal Bruno André Silva.

Últimas de _legado_Brasil