Vítima de sequestro é estuprada e obrigada a se drogar em Campinas

Homem, de 33 anos, ficou 22 horas refém de Marlon Freitas da Silva, de 21 anos, até conseguir ajuda de um frentista que chamou a polícia. O suspeito foi preso e vítima passa bem

Por O Dia

Campinas - Um cabeleireiro de 32 anos foi mantido refém por 22 horas por um bandido e obrigado a usar cocaína no cativeiro, em Campinas (SP). O criminoso exigia dinheiro e a vítima só foi libertada pela Polícia Militar (PM) na manhã desta quinta-feira depois que pediu ajuda para um frentista em uma loja de conveniência. O suspeito, Marlon Freitas da Silva, de 21 anos, foi preso em flagrante após perseguição da equipe do Batalhão de Ações Especiais (Baep), com apoio do helicóptero Águia. Ele tem passagem criminal por tráfico. Em seu poder a polícia apreendeu uma maçaneta de porta, usada para simular uma arma branca.

A vítima foi rendida por volta das 11h da quarta-feira quando saía de uma agência bancária na Avenida Moraes Sales, no bairro Nova Campinas, e colocada em seu carro, um Chevrolet Onix branco. Ele estava com R$ 700 em notas e R$ 270 em cheque que seriam depositados em outra agência. O bandido pegou o dinheiro, um tablet e o iPhone. Depois queria fazer saques em bancos, mas o cabeleireiro estava apenas com um cartão de crédito de pontos.

Trancada no carro

Então a vítima foi levada até a Vila 31 de Março, onde ficou trancada no carro por cerca de 10 minutos. "Ele (bandido) conversou com uma pessoa e depois voltou para o carro e cobriu minha cabeça com um casaco", contou o cabeleireiro

A vítima teve as mãos amarradas por lacre e levado para uma casa, que ele não soube dizer onde ficava. O rapaz disse que foi obrigado a tomar uma pílula que provocou sonolência. Durante o tempo que ficou em poder do bandido, a vítima foi obrigada a cheirar cocaína e estuprado. "Ele (Silva) queria pedir resgate em dinheiro para a minha família, mas não falou o valor. Ele conseguiu achar o telefone e endereço da minha irmã no carro e ligaria para ela hoje (ontem)", contou.

Família estranhou

A irmã da vítima disse que estranhou o sumiço e entrou em contato com a gerente do banco onde ele havia feito o depósito. A funcionária da agência disse que ele já havia saído e, sem conseguir falar por telefone com o irmão, ligou para a polícia. "Eu até monitorei o Facebook, para ver se ele postava algo, mas nada. Mandei uma mensagem para ele nos mandar notícias", explica a irmã.

À noite, ela falou com a PM novamente e foi constatado que não havia registro de ocorrência com a placa do carro da vítima. Por volta das 9h desta quinta-feira, o cabeleireiro foi levado a um posto de combustíveis de um hipermercado ao lado de um shopping na Vila Brandina para tentar trocar o cheque com o frentista, momento que a vítima avisou que era sequestrada.

Buscas

"Ele disse que estava com muito medo de chamar a polícia por causa da família, e pediu ajuda. Depois foi embora com o indivíduo", contou o tenente do Baep Bruno Viegas. O funcionário do posto avisou a PM, que iniciou as buscas.

Uma equipe do Baep fez o patrulhamento terrestre, mas foi o helicóptero Águia quem localizou o carro o da vítima circulando pela Vila 31 de Março. O suspeito queria dinheiro para comprar drogas e trocou o tablet e o iPhone em biqueiras.

Na abordagem, o criminoso dirigia o carro e tentou fugir, mas foi feito cerco policial. A vítima foi libertada com alguns ferimentos, mas passa bem.

Com informações de Alenita Ramirez

Últimas de _legado_Brasil