Dilma diz que honrará votos e se dedicará a garantir estabilidade

Presidente participou nesta sexta-feira da entrega de moradias do Minha Casa Minha Vida em Roraima

Por O Dia

Roraima - Menos de 24 horas depois dos panelaços contra o seu governo, a presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira que aguenta todo tipo de pressão e ameaças e que honrará os votos que recebeu. “A primeira característica de quem honra o voto é que ele é a fonte da minha legitimidade, e ninguém vai tirar essa legitimidade que o voto me deu”, disse Dilma, em Boa Vista (RR), onde participou da entrega de 747 moradias do programa Minha Casa, Minha Vida.

O tom incisivo do discurso foi acertado pela presidenta e com ministros do PT, em reunião anteontem, no Palácio da Alvorada. Ao afirmar que suporta pressão e ameaças, Dilma quis deixar claro que não pretende renunciar. Ao falar que tem a legitimidade do voto, ela demonstrou disposição para lutar contra a articulação de um eventual processo de impeachment.

Depois do panelaço%2C Dilma foi nesta sexta a Boa Vista (RR)para participar da entrega de 747 moradias do programa Minha Casa%2C Minha VidaRoberto Stuckert Filho/PR

No discurso, a petista disse que irá se dedicar “dia e noite” para garantir a estabilidade do país e cobrou que ela seja respeitada entre os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.

“Nós temos de nos dedicar às estabilidades institucional, econômica, política e social. Sei que há brasileiros que estão sofrendo. Me comprometo a trabalhar.” E continuou: “Podem ter certeza de uma coisa: me dedicarei dia e noite, hora por hora, para que o país saia o mais rápido possível das suas dificuldades. Essa é a minha obrigação, meu dever. Me comprometo a contribuir e me esforçar pela estabilidade”.

TEMER

O vice-presidente Michel Temer (PMDB) foi elogiado nesta sexta sobre o seu papel na atual crise política em encontro no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo. Em reunião reservada com membros da Academia Paulista de Letras, o peemedebista recebeu cumprimentos por ter pedido ajuda aos partidos políticos para solucionar os problemas do país.

No encontro, ele também ouviu críticas sobre a atuação da presidenta Dilma e sobre os problemas de governabilidade da administração da petista. Um dos imortais chegou a brincar que o vice-presidente não tinha o “direito de morrer” no atual quadro de crise.

Em seu Twitter, Temer negou nesta sexta ter deixado a articulação política do governo. “São infundados os boatos de que deixei a articulação política. Continuo. Tenho responsabilidades com meu país e com a presidente Dilma’’, escreveu. Anteontem, ele colocou o cargo de coordenação política à disposição.

Últimas de _legado_Brasil