Prorrogada prisão temporária de três investigados na Lava Jato

Na decisão, Sérgio Moro explicou que a manutenção da prisão é necessária para que Polícia Federal termine de analisar as provas obtidas com os mandados de busca e apreensão

Por O Dia

Brasília - O juiz federal Sérgio Moro prorrogou na noite desta sexta-feira a prisão temporária de três investigados na 17ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na última segunda-feira.

Com a decisão, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, Roberto Marques, ex-assessor de Dirceu, e o empresário Pablo Alejandro Kipersmit ficarão presos por mais cinco dias na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Na decisão, Sérgio Moro explicou que a manutenção da prisão é necessária para que Polícia Federal termine de analisar as provas obtidas com os mandados de busca e apreensão.

“Do exame do material, pode surgir a necessidade de diligências suplementares, como novas buscas e apreensões, novas inquirições e acareações”, justificou o juiz.

Últimas de _legado_Brasil