TCU pode julgar recursos sobre 'pedaladas fiscais' ainda neste ano

Decisão é considerada vital para pagamento das pedaladas que têm forte impacto no resultado fiscal

Por O Dia

Brasília - O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira, disse nesta segunda-feira que o órgão de fiscalização ainda tem condições de julgar neste ano os recursos do governo federal contra a condenação das chamadas pedaladas fiscais, apesar do prazo exíguo.

Em abril, o TCU condenou o governo a regularizar as chamadas pedaladas fiscais, atrasos no repasse da União a bancos públicos para cobrir gastos com subsídios e subvenções. Mas a Advocacia Geral da União (AGU) e o Banco Central entraram com recursos que ainda não foram julgados pela corte.

Até análise dos recursos, ficam suspensas as determinações iniciais tomadas pelo TCU sobre o caso, incluindo a que obrigava o governo a regularizar sua situação seguido um cronograma a ser entregue num prazo de 30 dias.

LEIA MAIS

Governo afirma que 'pedaladas fiscais' chegam a R$ 57 bilhões

?Governo Dilma entrega ao Senado defesa sobre 'pedaladas fiscais'

?De forma unânime, ministros do TCU rejeitam contas de Dilma

A decisão do TCU é considerada vital para a definição do pagamento das pedaladas, se de forma parcelada ou à vista, que têm forte impacto no resultado fiscal.

Oliveira disse que deve concluir ainda nesta semana sua análise sobre o caso, para que somente então o ministro-relator do processo, Vital do Rêgo, possa produzir seu voto e submetê-lo ao plenário do tribunal.

Segundo Oliveira, a expectativa é o que o caso seja votado ainda neste ano. Mas como as sessões plenárias ocorrem às quartas-feiras e vão somente até o dia 9 de dezembro, há a possibilidade de a apreciação ficar para 2016.

Na terça-feira, o Congresso Nacional deverá votar projeto de lei que permite ao setor público consolidado registrar um déficit primário de até R$ 117 bilhões em 2015, impactado pelo pagamento de R$ 57 bilhões em pedaladas, ante meta vigente de um superávit de R$ 66,3 bilhões no ano.

Últimas de _legado_Economia