Aposentadoria pela nova tabela do fator obriga a trabalhar mais dois meses

IBGE divulga taxa de expectativa de vida, que influencia fator previdenciário

Por O Dia

Brasília - O IBGE divulga nesta terça a nova taxa de expectativa de vida da população brasileira referente ao ano de 2014. O indicador que influencia diretamente o fator previdenciário no cálculo das aposentadorias do INSS deve aumentar, em média, 58 dias, conforme cálculos de especialista no setor. Essa atualização fará o trabalhador contribuir por mais tempo para manter o mesmo patamar do benefício. Além disso, o aumento deixará a Fórmula 85/95 mais vantajosa em relação ao fator na concessão de aposentadorias por tempo de contribuição.

Segundo Newton Conde, atuário especializado em Previdência, diretor da Conde Consultoria e professor do Departamento de Economia da USP, a diferença entre o valor da aposentadoria calculado pelo fator já a partir deste mês e a Fórmula 85/95 chegará a 20%. O novo mecanismo de cálculo soma tempo de contribuição e idade dos trabalhadores e garante benefício integral.

De acordo com o especialista, um trabalhador que têm 56 anos de idade e 40 anos de contribuição e recebe R$ 3 mil, por exemplo, terá ganho de 20,17% ao optar por se aposentar pela Fórmula 85/95 e não pelo fator do mês de dezembro. Pelos cálculos de Newton Conde, este segurado atingiu 96 pontos pela nova fórmula e terá benefício integral (R$ 3 mil). Com a virada do mês, se esse segurado optar pelo cálculo considerando o fator já atualizado, ele receberá R$ 2.496,27.

Pelas contas do atuário, o valor da aposentadoria deste segurado antes da atualização da tábua de vida até o mês de novembro seria de R$ 2.515,89. O valor de dezembro representa uma redução de 0,78% em relação ao benefício concedido pelo novo fator previdenciário.

No ano passado, as aposentadorias pedidas a partir de dezembro tiveram redução média de 0,65% em comparação a novembro.

Na tábua do fator em vigor, segundo o INSS, ao considerar um segurado com 55 anos de idade e 35 de pagamentos, ele passou a ter que recolher por mais 79 dias corridos para manter o mesmo valor de benefício de novembro de 2014. Já um segurado com 60 anos de idade e 35 de contribuição teve que trabalhar por mais 94 dias para não ter perdas no benefício.

Fator pode ser favorável

O levantamento feito por Newton Conde mostra, no entanto, que há situações em que o fator previdenciário pode ser mais favorável do que a Fórmula 85/95. Neste caso, o segurado precisa ter trabalhado por muito mais tempo. Uma simulação revela que quem contribui por 45 anos, por exemplo, e tem hoje 63 anos de idade, sairia ganhando com o fator.

Este segurado hoje teria 108 pontos (soma de 63 anos de idade e 45 de contribuição). Pela 85/95, receberia aposentadoria integral de R$ 3 mil. Se escolhesse o fator, o benefício seria de R$ 3.740,43 por mês.

Últimas de _legado_Economia