Governo alemão quer interrogar Snowden em Moscou

Ministro alemão descartou a possibilidade de oferecer asilo ao ex-técnico da CIA no país

Por O Dia

Alemanha - O Governo alemão se comprometeu nesta quarta-feira a estudar a possibilidade de ouvir o depoimento em Moscou do ex-técnico da Agência Nacional de Segurança (NSA) americano Edward Snowden, para conhecer os detalhes do programa de espionagem dos Estado Unidos em território germânico.

Após a conclusão da reunião da comissão parlamentar de segredos oficiais que foi realizada hoje em sessão extraordinária para analisar as atividades da NSA, o ministro do Interior alemão interino, Hans-Peter Friedrich, descartou de novo a possibilidade de oferecer asilo a Snowden na Alemanha.

O Executivo de Angela Merkel acrescentou que estudará sob quais condições a Alemanha pode interrogar Snowden na Rússia, onde conseguiu uma permissão temporário de asilo.

O presidente da comissão de segredos oficiais do Bundestag (câmara baixa), o social-democrata Thomas Oppermann, ressaltou em declarações aos meios de comunicação a importância de poder ouvir as declarações do técnico americano sem que isso complique a já difícil situação na qual se encontra. "Não podemos convidá-lo para vir à Alemanha sem ter a segurança de que não será extraditado (aos Estados Unidos)", acrescentou.

O compromisso alcançado na comissão não satisfez, no entanto, o deputado dos Verdes Hans Christian Ströbele, que se reuniu na semana passada em Moscou com Snowden e recebeu deste a oferta de colaborar com as autoridades alemãs. Em sua opinião, é possível acolher Snowden na Alemanha, não extraditá-lo e garantir sua segurança.

"Só é preciso querer realmente", manifestou Ströbele, que considerou que enviar uma delegação a Moscou não é a melhor solução, entre outras coisas porque o interrogatório deveria contar com o sinal verde das autoridades russas.

Perante a comissão de segredos oficiais compareceram hoje os presidentes dos serviços secretos alemães de exterior e interior, Gerhard Schindler e Hans-Georg Maaßem, que visitaram no domingo a Casa Branca para obter informação da administração de Barack Obama.

"Não sei nada mais do que sabia antes", assinalou o cético Ströbele aos jornalistas após a concluisão da sessão.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência