Justiça condena ex-presidente do Egito e filhos a 3 anos de prisão por corrupção

Eles terão que pagar multa US$ 196 milhões por desvio de verba para manter palácios

Por O Dia

Egito - A Justiça do Egito condenou ontem o ex-presidente Hosni Mubarak a três anos de prisão por corrupção. O tribunal determinou também que os dois filhos do ex-mandatário egípcio cumpram prisão com o pai. Os três participaram do julgamento no tribunal em uma cela, de terno e óculos escuros.

A Justiça determinou ainda que, além de cumprir a pena, Mubarak e seus dois filhos paguem multa de aproximadamente US$ 196 milhões. A quantia teria sido desviada de fundos públicos pelo ex-presidente e os filhos para a manutenção de palácios presidenciais.

Ainda cabem recursos contra as sentença proferidas ontem. Os advogados de Hosni Mubarak e de seus filhos, Allaa e Gamal, anunciaram que devem entrar com pedido de recurso em relação à condenação dos três.

O ex-presidente do Egito já havia sido condenado pelo mesmo crime anteriormente. Mas a sentença foi anulada por um tribunal de recurso, determinando novo julgamento do caso.
Os três réus estão presos desde 2011. Eles foram detidos meses após Hosni Mubarak renunciar ao cargo de presidente do Egito.

PRIMAVERA ÁRABE

Os últimos meses de mandato foram marcados por protestos populares que fizeram parte das manifestações ocorridas em alguns países do Oriente Médio e que ficaram conhecidas como a Primavera Árabe.

O movimento levou à deposição de vários governante na região. Hosni Mubarak ocupou a presidência por quase 30 anos. Depois da decretação da pena, o ex-chefe de Estado voltou ao Hospital Militar do Cairo. Lá, é onde ele tem passado a maior parte do tempo desde que foi preso, há quatro anos.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência