HSBC pagará multa milionária para encerrar investigação na Suíça

Banco é multado em R$ 134,5 milhões por autoridades de Genebra, após ser acusado de ajudar criminosos a sonegarem impostos

Por O Dia

Suiça - O HSBC foi multado em 40 milhões de francos suíços (cerca de R$ 134,5 milhões) pelas autoridades de Genebra para encerrar a investigação sobre lavagem de dinheiro na divisão suíça no banco, no caso que ficou conhecido como Swissleaks.

Essa é a maior multa já imposta pelas autoridades de Genebra, segundo o promotor-chefe local, Olivier Jornot, que fez críticas à deficiência das leis do país para o sistema financeiro. Em nota, o HSBC afirmou que o pagamento é para compensar as autoridades por falhas organizacionais do passado e que o banco não será punido criminalmente.

Ainda no texto, o banco afirma que a investigação da promotoria identificou que nem o banco e nem os seus empregados são suspeitos de cometer nenhum crime atualmente.

"A promotoria de Genebra reconheceu o progresso feito pelo banco nos últimos anos, incluindo melhorias em "compliance", processos internos e tecnologia", disse o banco.

Entenda

O braço suíço do banco HSBC ajudou clientes milionários e criminosos condenados em escândalos de corrupção e por tráfico de drogas a sonegarem impostos e a esconderem milhões de dólares em investimentos, distribuindo produtos bancários não identificados e orientando sobre como escapar das autoridades do fisco, segundo um dossiê formado por informações bancárias vazadas.

Os dados – obtidos por meio da colaboração internacional de organizações de notícias, que inclui o "Guardian" – revelaram que o private bank (área de gestão de fortunas) do HSBC na Suíça:

Rotineiramente permitia aos clientes retirarem maços de dinheiro em espécie, frequentemente em moedas estrangeiras sem uso na Suíça;

Comercializava serviços para que clientes milionários evitassem impostos;

Ajudava alguns clientes a dissimularem contas não declaradas (caixa 2);

Fornecia contas bancárias para criminosos internacionais, homens de negócios corruptos e indivíduos considerados de alto risco.

No Brasil, a Receita Federal e a Polícia Federal estão apurando operações realizadas por brasileiros em contas secretas mantidas pelo HSBC na Suíça.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência