Ataque com faca no metrô de Londres deixa feridos e é visto como terrorismo

'Isso é pela Síria', teria gritado homem antes do atentado. Após prisão, passageiro disse que ele 'não é um irmão muçulmano'

Por O Dia

Inglaterra - Um homem com uma faca atacou neste sábado pelo menos três pessoas no metrô de Londres e feriu gravemente uma delas, informou a Polícia Metropolitana de Londres (MET), que investiga o caso como "um ato terrorista". Durante o fato, registrado na estação de Leytonstone e que foi gravado em vídeo e divulgado na internet, o autor parece gritar "isto é pela Síria", antes de ser detido pela Polícia.

Agentes da MET chegaram à estação da Central Line às 19h06 (horário local, 17h06 em Brasília), após serem alertados de ataques e ameaças a vários passageiros. O agressor foi rendido com uma arma de eletrochoque taser, segundo informou a MET, também conhecida como Scotland Yard.

Ataque com faca deixou em pânico passageiros do metrô de Londres Reprodução Internet

Em um vídeo divulgado na web, o suposto autor parece gesticular para duas pessoas na estação. Quando estas se aproximam, as ataca com a faca, de cerca de 7,5 centímetros, e parece ferir um deles no pescoço. Momentos depois, chega um policial uniformizado que lhe dispara o taser.

Outro vídeo, publicado pela agência "PA", parece mostrar o momento em que o suspeito é rendido e levado por dois agentes, enquanto se ouve outro homem dizer no fundo: "você não é um irmão muçulmano".

'Ato terrorista'

Segundo a Scotland Yard, uma das três vítimas sofreu ferimentos graves, mas sua vida não corre perigo, enquanto as outras duas foram tratadas com ferimentos leves. "Estamos tratando este fato como um ato terrorista", declarou o comandante Richard Walton, chefe do comando antiterrorista da MET.

Walton pediu aos cidadãos para permanecerem "calmos, mas alertas e atentos", e pediu quem presenciou o fato e conseguiram gravá-lo em vídeo ou tirado fotografias que entrem em contato com a MET. O nível de alerta no Reino Unido "se mantém severo (o segundo de uma escala de cinco), o que significa que um atentado terrorista é muito provável", declarou Walton.

Uma porta-voz do governo assinalou que "a Polícia está investigando o ataque em Londres" e o Executivo "segue a situação de perto". Após saber da notícia, o líder do Partido Trabalhista - na oposição -, Jeremy Corbyn, escreveu em sua conta no Twitter: "O apunhalamento na estação de Leytonstone é absolutamente chocante", e expressou sua solidariedade com as famílias das vítimas. O fato aconteceu três dias depois que o Parlamento britânico autorizou, a pedido do governo de David Cameron, estender para a Síria os bombardeios aéreos contra o Estado Islâmico (EI), liderados pelos Estados Unidos, que até agora o Reino Unido só realizava no Iraque.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência