Hamilton Werneck: A boa política precisa conhecer este segredo

Em qualquer circunstância, são os famintos que sustentam muitos governos através do voto popular

Por O Dia

Rio - Candide Voltaire, citado por Eduardo Galeano no seu livro mais recente, ‘Los hijos de los días’, conclui um dos capítulos comentando sobre os desastrosos dias de Luiz XIV, que só cuidava de seus sapatos de salto alto, suas perucas e suas capas reais. Comenta ao reconhecer que a França perdeu mais de dois milhões de cidadãos em duas ondas de fome. E quem morreu? Mais uma vez, o povo faminto.

Estamos às vésperas de mais uma eleição para a Presidência da República, e os projetos que foram organizados para atender às políticas de segurança alimentar da ONU — que, neste país, receberam o nome de Cesta Básica e, depois, Fome Zero — passaram a ser questionados por alguns personagens nos palcos da campanha.

Este projeto, no Brasil, seguido por duas grandes correntes políticas, sempre exigiu reciprocidade, que se reflete na vacinação e na escolaridade das crianças. O México, com o seu Progresa, voltou atrás e imprimiu ao seu plano o que faltava: a reciprocidade copiada do Brasil. São, ao todo, 100 países que aplicam estes programas de seguridade alimentar no mundo. No entanto, somente 50 seguem os princípios de reciprocidade exigidos pelo programa brasileiro.

A Turquia implantou, com a devida reciprocidade escolar, plano semelhante na metade leste do país e aumentou a frequência das meninas na escola, fazendo a presença saltar de 30% para quase 70%. A Índia terá semelhante plano para atender aos 600 milhões de miseráveis que vivem no país.

Em qualquer circunstância, são esses famintos que sustentam muitos governos através do voto popular. Estabelecer críticas aos programas desse quilate é muito comum e pode aprimorá-los. Apresentar alternativas que possam diminuir a ação que determina a diminuição da fome e da miséria torna-se um imperativo que só não cabe nas mentalidades políticas sem classificação, incapazes de perceber que a fome, a sede e a miséria fazem com que muitos invadam as residências dos que são mais bem aquinhoados para de lá retirar, à força, a comida que necessitam.

Não vivemos no século 17, nem no reinado do Rei Sol; vivemos ainda sentados sobre uma grande ‘bomba humana’. Desativá-la terá de ser parte da sabedoria política sem aplicar o segredo a que Voltaire alude, como elemento de equilíbrio dentro do tecido social da nação.
Creio que esta é uma reflexão importante que poderá fazer pensar e levará o eleitor ao discernimento na hora de digitar o seu voto na urna eletrônica.

Hamilton Werneck é pedagogo e escritor

Últimas de _legado_Opinião