Ponte Rio-Niterói é fechada devido à manifestação

Prefeito anunciou redução de tarifa nos ônibus de R$ 2,95 para R$ 2,75. Protesto teve tumulto

Por O Dia

Rio - A Polícia Rodoviária Federal interditou a Ponte Rio-Niterói na noite desta quarta-feira, por conta da manifestação contra o aumento da tarifa dos ônibus na cidade e outras questões sociais.  

Os manifestantes se concentram na Avenida Marquês de Paraná, em frente ao Corpo de Bombeiros de Niterói, onde o Batalhão de Choque (BPChq) impede a entrada dos ativistas com bombas de efeito moral e balas de borracha.

O grupo não recuou e o clima permanece tenso no trecho da via. Ainda não há informações sobre feridos ou detidos. Um grupo tentou virar um ônibus sem passageiros e o veículo colidiu com um carro. Parte deles voltou para as Avenidas Rio Branco e Amaral Peixoto, onde atearam fogo em uma barricada com lixo e detritos.

Os manifestantes se dirigem às barcas neste momento. O Choque ainda impede a entrada dos ativistas na Ponte.

Protesto em Niterói reuniu manifestantes em frente à CâmaraAlexandre Brum / Agência O Dia

A grande maioria dos manifestantes permaneceu em frente à Câmara Municipal, onde não houve registro de tumulto com a polícia.

Neste momento, o trânsito já está sendo liberado na via no sentido Niterói para a Alameda São Boaventura e a Avenida do Contorno. A reabertura das pistas está sendo feita a partir da Ilha de Mocanguê com o auxílio de batedores.

Em instantes a concessionária que administra a via deverá reabrir o tráfego no sentido Rio de Janeiro.

O Centro de Operações da Prefeitura informou que os acessos do Rio para a via começaram a ser liberados, como a Linha Vermelha, Avenida Brasil e Viaduto do Gasômetro. No momento, o trânsito é lento na Avenida Francisco Bicalho, na Avenida Rodrigues Alves e no Viaduto do Gasômetro, sentido Ponte.

Protesto fechou via

Os policiais fecharam todos os acessos à via. Na Perimetral, os veículos serão desviados para a Avenida Brasil, bem como na rampa de acesso à Ponte pela rodoviária, próximo ao Caju, na alça de acesso da Linha Vermelha à Ponte Rio Niterói e pela Avenida Brasil. Os pedestres devem utilizar as Barcas para chegar ao município. A opção para os motoristas é chegar ao município por Magé, atráves da Rodovia Washington Luiz.

Manifestantes vibraram com anúncio de redução de tarifa em NiteróiAlexandre Brum / Agência O Dia

Neste momento, a movimentação nas estações da concessionária está normal e não apresenta alteração no fluxo de passageiros. As Barcas vão operar, até as 21h, com intervalos de 10 minutos no trajeto Praça XV-Praça Arariboia.

A cerca de 450m antes do pedágio estará o último retorno, que será liberado aos poucos, em sistema Pare e Siga.

No sentido Rio, A BR-101 (Niterói-Manilha) segue fechada na altura do Km 317 (Ilha das Flores – quartel dos Fuzileiros Navais), que é exatamente o ponto em que é possível fazer o retorno; o acesso do viaduto do Barreto à BR 101 (altura Avenida do Contorno), onde o viaduto é usado como retorno em sentido invertido.

A partir deste ponto, os motoristas poderão seguir sentido Niterói e logo à frente encontrarão um outro retorno à direita, que estará fechado no sentido Rio, mas aberto no sentido Barreto.

Niterói anuncia redução de tarifa de ônibus

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, também revogou o aumento do preço da passagem do transporte coletivo, nesta quarta-feira, baixando a tarifa de R$ 2,95 para R$ 2,75. A decisão ocorre quando milhares de manifestantes estão nas ruas protestando por melhores condições de transporte, entre outras demandas, nas principais vias da cidade.

Mais de 10 mil pessoas participam da manifestação contra o aumento da passagem no transporte coletivo, em Niterói, nesta quarta-feira, segundo a Nittrans. Os manifestantes tomaram a Praça Araribóia, onde aconteceu a concentração, e marcharam em direção à Avenida Amaral Peixoto, uma das principais vias da cidade.

Ativistas marcharam na Praça AraribóiaAlexandre Brum / Agência O Dia

No segundo protesto, os participantes reivindicam a libertação de duas pessoas que foram presas no ato no Centro do Rio, na última segunda-feira, ambos estudantes da Universidade Federal Fluminense (UFF).

O trânsito ficou complicado. As vias do entorno, como as Avenidas Visconde do Uruguai, Visconde do Itaboraí, Barão do Amazonas e as ruas Alcides Figueiredo, Monte Líbano, Áurea Lima e Francisco Cruz, que estão interditadas na altura da Avenida Rio Branco, seguem com fluxo intenso. O objetivo dos manifestantes é chegar a Câmara dos Vereadores, e em seguida, partir para o acesso à Ponte Rio-Niterói. Para o evento, o efetivo que acompanha o protesto é de 350 homens da Polícia Militar e 50 da Guarda Municipal, espalhados na prefeitura, Câmara Municipal e na estação das Barcas.

A prefeitura de Niterói designou uma comissão especial, coordenada pela Secretária Executiva da Prefeitura, Maria Célia Vasconcellos, desde a última sexta feira, para receber representantes da manifestação, desta quarta, sobre o sistema de transportes na cidade.

Últimas de Rio De Janeiro