Manifestantes se reúnem em rua de Cabral

PMs fecharam via para impedir passagem de protesto

Por O Dia

Rio - Mais de 600 pessoas se aglomeram na entrada na Rua Aristides Espínola, em frente ao posto 12, residência do governador Sérgio Cabral, na tarde desta quarta-feira, em protesto que pede a renúncia de Cabral, a desmilitarização da PM e contra a privatização do Maracanã, entre outras demandas. A via foi fechada por policiais militares. Moradores só entram a pé e estão sendo escoltados até suas residências.

O policialmento foi reforçado no local com 150 PMs e 13 carros do Batalhão de Choque (BPChq). Alguns policiais estão com coletes que tampam suas identificações. Até o momento, não há registro de tumulto. Os manifestantes estão fechando a Avenida Delfim Moreira e exibem cartazes, faixas e gritam palavras de ordem. Uma fogueira foi acesa entre as esquinas da Aristides Espínola e da Delfim Moreira.

Motoristas que trafegam no trecho, estão sendo desviados para a Rua Rainha Guilhermina. Quem segue em direção à Avenida Niemeyer deve optar pelas Avenidas General San Martin e Visconde de Albuquerque.

Policiais militares do Batalhão de Choque bloquearam a rua onde mora o governador Sérgio CabralReprodução Internet

A Avenida Delfim Moreira está totalmente interditada entre a Avenida Bartolomeu Mitre e Avenida Niemeyer. O tráfego é desviado pela Avenida Visconde de Albuquerque.

Últimas de Rio De Janeiro